Author: Luciane Costa

Por mais que um negócio consiga executar muito bem todas as demandas de Marketing e Vendas internamente ou, então, com apoio de profissionais freelancers, existe um momento em que se torna importante contratar uma agência de Marketing Digital para apoiar as estratégias.
Entender, entretanto, qual é momento certo para isso e o que levar em conta ao escolher o parceiro ideal não é tarefa simples, especialmente com o grande número de agências no mercado, atuando com diferentes focos.
Para ajudar nesta importante decisão, neste artigo vamos apresentar o que consideramos mais relevante na escolha da agência mais adequada para a sua empresa!

Quando contratar uma agência:

Muitas empresas começam as suas operações e conseguem crescer sem o auxílio de uma agência. Outras, por outro lado, contam com este tipo de parceiro estratégico desde os seus primeiros passos. O que determina a hora de contratar uma agência de Marketing Digital são, essencialmente, os fatores que listamos a seguir:

Dificuldade em alcançar resultados em Vendas

Este é o motivo principal para deixar de contar apenas com os recursos internos e partir em busca de um parceiro de Marketing. Quando uma empresa tem dificuldades de, mês a mês, atingir as suas metas de Vendas, é preciso buscar fornecedores que auxiliem na geração e na nutrição de leads, via combinação de diferentes estratégias.

Isso deve acontecer sem demora, considerando o ciclo de vendas do seu negócio e o tempo médio de fechamento de novos contratos. Ou seja, se, em média, o tempo de negociação é de dois meses, contratar uma agência de Marketing Digital hoje irá impactar os resultados da empresa a partir desses dois meses entre a geração dos primeiros leads e a sua conversão.

Sobrecarga do time interno

Em muitos casos, o time interno de Marketing é muito eficiente e qualificado, porém não consegue atender a todas as demandas vindas das diferentes áreas. Desta forma, para garantir que as ações previstas no planejamento sejam executadas, vale a pena combinar esforços dos colaboradores com fornecedores externos.

O ideal, inclusive, é que seus funcionários cuidem daquelas atividades que podem ser executadas com melhor qualidade “dentro de casa”, como levantamento de briefing com diferentes áreas, e que a agência parceira auxilie no planejamento estratégico e coloque a mão na massa em serviços especializados.

Campanhas específicas

Outra situação que justifica a contratação de um fornecedor de Marketing é quando são realizadas campanhas e eventos específicos ou quando há alguma sazonalidade que resulte em aumento significativo da demanda.

Na maioria dos casos, essas situações requerem esforço maior do time de Marketing, porém não a longo prazo – não sendo necessária a contratação de mais funcionários fixos, por exemplo.

Ao contar com uma agência nesses casos, também reduz-se a curva de aprendizado para a ação, já que essas empresas já possuem equipe e processos estruturados para as diferentes demandas de Marketing Digital.

Vantagens de contar com um parceiro de Marketing:

É claro, existem outras opções para as situações que listamos no tópico acima, como o aumento da equipe ou a contratação de profissionais independentes. Por que, então, escolher uma agência de Marketing?

1.Escalabilidade

Sem dúvidas, uma empresa especializada em Marketing Digital e com profissionais experientes em diferentes áreas é capaz de escalar rapidamente as suas demandas, sejam elas relacionadas a construção de sites, conteúdo para blog, gestão de redes sociais, campanhas digitais ou outras atividades.

O tempo necessário para colocar campanhas no ar também é reduzido, pois as agências possuem experiência e processos definidos para que isso aconteça.

2. Combinação de diferentes competências

É muito oneroso e complexo do ponto de vista de gestão manter uma equipe interna de Marketing com perfis tão distintos de profissional: redator, designer, web designer, desenvolvedor, especialista em redes sociais, especialista em campanhas, etc…

Por isso, uma agência se torna um parceiro tão importante. Afinal, já existe uma equipe com excelentes profissionais em cada área, cujas horas dedicadas são ajustadas de acordo com a sua demanda – evitando sobrecarga ou ociosidade de colaboradores internos.

Além do mais, os profissionais da agência contam também com gestão especializada em suas áreas de atuação, o que contribui para a melhoria dos resultados continuamente.

3. Vivência em diferentes projetos

Outra grande vantagem de contratar agência de Marketing Digital é se beneficiar pela experiência adquirida na gestão de diferentes projetos, focados em alcançar os mais diversos objetivos.

Desta forma, as campanhas e as ações da sua empresa levarão em conta o que deu certo ou não em projetos anteriores, tanto do seu segmento de mercado quanto de segmentos que podem servir como referência para a sua empresa.

4. Custo benefício

Como falamos anteriormente, ao contratar uma agência, você paga uma taxa mensal que considera exatamente as demandas que terá para cada área, evitando o investimento em profissionais que podem ficar ociosos ou serem subaproveitados.

Portanto, embora muitos pensem o contrário, contratar agência de Marketing Digital, na maioria dos casos, é sim mais vantajoso financeiramente do que manter um grande time de funcionários com dedicação exclusiva.

5. Foco em resultados

Por fim, outro excelente motivo para se contratar um fornecedor de Marketing é que este contrato costuma ser focado essencialmente na melhoria ou na manutenção de resultados.

A agência estará totalmente dedicada a cumprir o acordo fechado com a sua empresa, colocando seus esforços para que isso aconteça. E você, como contratante, tem total direito de cobrar que esses resultados aconteçam!

O que levar em conta na hora de contratar agência de Marketing Digital?

Agora que você já conhece os motivos que justificam a contratação de uma agência e sabe as vantagens de contar com um parceiro nesta área, é importante conhecer os principais elementos a serem analisados na sua escolha:

1.Especialização

Existem agências especializadas em diferentes segmentos de mercado, atividades e modelos de negócio. O ideal é buscar por aquela que já conhece bem o cenário da sua empresa e é capaz de aplicar o conhecimento adquirido em outros projetos no seu.

2. Experiência e casos de sucesso

Falando em experiência, sempre busque informações sobre projetos e vivências anteriores, tanto da agência, quanto de seus líderes. Não há problema algum em contratar um parceiro que tenha iniciado suas operações há pouco tempo, desde que seus profissionais tenham vivências que possam ser aplicadas para alcançar os resultados que você busca.

Busque, também, casos de sucesso para, efetivamente, entender o que esta agência já realizou, preferencialmente conversando com clientes atuais ou ex-clientes.

3. Perfil de atendimento

É muito importante ter um bom fluxo de atendimento entre a agência e a sua empresa. Nessas horas, o estilo de cada lado conta muito e precisa haver uma identificação entre os negócios para que a parceria efetivamente avance com sucesso.

Aproveite as primeiras interações com as potenciais agências para ver como essa sinergia acontece!

4. Capacidade de atendimento às demandas

Por fim, é essencial ter certeza de que a agência contratada possa atender a todas as demandas que você possui e deseja delegar a um parceiro. Não é raro que empresas de Marketing sejam especialistas em alguns campos, mas não prestem serviços em outros.

Tenha certeza de que tudo que precisa seja executado com excelência!

Qual é a agência que a sua empresa precisa?

Uma agência de Marketing Digital pode ser uma extensão valiosa da sua empresa, aplicando os seus melhores recursos para que seu planejamento seja executado com qualidade e alcance os resultados desejados.

Para isso, porém, é preciso encontrar o parceiro ideal, que compreenda o seu mercado de atuação, saiba como falar com seu público potencial e tenha uma identificação genuína com o seu negócio. Portanto, na hora de escolher a sua agência, busque esses fatores, associados à competência técnica, e certamente terá sucesso!

Ter um bom site deveria ser sempre o primeiro passo para uma empresa que está começando as suas operações no mercado ou, então, que deseja começar os seus investimentos em Marketing Digital. Ele é a base de toda a estratégia na internet e precisa transmitir a essência do negócio de forma clara para os usuários que o visitam.
Mesmo assim, muitas pequenas e médias empresas ainda não investem nesse canal digital da forma mais adequada, atendendo a todos os elementos de um site de sucesso, que seja capaz de trazer os resultados tão esperados.
Neste artigo, vamos apresentar quais são os pontos principais a serem considerados na construção de um bom site, assim como os benefícios em estruturá-lo de acordo com as boas práticas do mercado. Confira!

Por que investir em um bom site para a sua empresa?

Antes de mais nada, vale a pena justificarmos porque o site ocupa uma posição tão importante dentro da estratégia de Marketing de uma empresa – mesmo quando outros canais, como as redes sociais, ocupam papel de destaque.

Propriedade

Não cansamos de enfatizar este argumento: o seu site e todo o conteúdo publicado nele são de sua propriedade, correndo baixo risco de algum dia deixarem de existir, a não ser por sua própria escolha.

Para ficar mais claro, basta pensar em todas as empresas que apostaram suas fichas em comunidades no Orkut que simplesmente foram extintas com o fim da plataforma. Ou, então, em todos os negócios que continuamente precisam se reinventar e aumentar investimentos para manter o alcance em redes sociais como Facebook e Instagram.

Isso acontece pois estas não deixam de ser plataformas de conteúdo “emprestadas”, que podem mudar a estratégia, rever políticas ou até serem descontinuadas.

Por esta razão, além de apostar em redes sociais, é fundamental que você mantenha um bom site, com conteúdo continuamente sendo publicado nele, de forma que possa facilmente mudar de rota quando necessário.

Referência sobre marca

Um site também é o cartão de visitas de sua marca na internet. É nele que seus prospects podem ler sobre a sua história, conhecer cases de seus atuais clientes e entender melhor a sua cultura organizacional.

Isso é particularmente importante para garantir segurança para o comprador sobre qualquer transação, aconteça ela de forma online ou offline. Em tempos nos quais as fraudes se multiplicam, tenha certeza, isso é fundamental.

Além do mais, é preciso lembrar que os consumidores cada vez mais se conectam com as marcas com base em propósito e o seu site é um excelente canal para demonstrar toda a essência da sua empresa.

Contexto sobre produtos e serviços

Considerando que 81% dos consumidores realizam pesquisas na internet antes de fazer grandes compras (Retailing Today, 2014), o site é o canal mais importante de sua estratégia digital para garantir que seus potenciais clientes encontrem seus produtos e serviços nas buscas que realizarem.

É fundamental oferecer informações precisas sobre cada item de seu portfólio, com descrição, perfil de público, especificações técnicas, avaliações de clientes e o que mais fizer sentido para o seu modelo de negócio. Quanto mais o prospect se sentir seguro em relação aos dados apresentados, maior será a chance de geração de um lead.

Vendas e geração de leads

E, já que falamos em geração de leads, os resultados comerciais também são um importante benefício para quem mantém um bom website, com informações completas e chamadas para a ação claras (os famosos call to actions).

Com um site bem estruturado, ações de Inbound Marketing e excelente otimização para os mecanismos de busca, as chances de conversão com um custo bastante inferior em relação aos outros canais digitais aumentam significativamente.

5 elementos essenciais de um site de sucesso!

Depois de falar sobre a importância deste canal digital para a sua empresa, é importante apresentar os elementos de um site de sucesso, que determinam que ele possa ser de fato efetivo para a sua estratégia.

Recomendamos que observe cada um dos pontos a seguir, pois, combinados, eles garantem os melhores resultados!

1. Organização dos Conteúdos

A fase de planejamento é fundamental em qualquer ação de Marketing e não poderia ser diferente quando falamos nos elementos de um site de sucesso. Neste caso, é neste momento que será definida a organização dos conteúdos, também conhecida anteriormente como arquitetura da informação.

Aqui, é preciso definir, principalmente, os seguintes pontos:

  • Páginas e suas estruturas
  • Navegação entre páginas
  • Menus

Esses elementos precisam estar organizados de uma maneira lógica e de fácil entendimento para quem visitar o seu site, de forma que ele possa encontrar rapidamente a informação desejada.

Vale a pena lembrar que tudo isso deve acontecer antes mesmo de o site começar a ser desenvolvido. Desta forma, é possível pensar e repensar em como será organizado o conteúdo para que se obtenha a melhor navegação.

2. Objetivo claro

Continuando na fase de planejamento do site, um erro muito comum é desenvolver este canal sem um objetivo claro a ser alcançado. Por isso, tenha em mente qual será a ação (ou as ações) que um visitante deve realizar ao navegar em seu canal digital.

Alguns exemplos que podem ser considerados:

  • Captação de cadastros
  • Vendas
  • Visitantes em páginas de produtos ou serviços
  • Inscrições em newsletters

Com essas metas em mão e a organização do conteúdo muito clara, fica mais fácil dar os passos seguintes e iniciar de fato a produção e o desenvolvimento do site da sua empresa.

Além do mais, depois de o site estar no ar, será simples configurar e acompanhar metas relacionadas a estes objetivos.

3. Design Profissional

O layout está entre os elementos de um site de sucesso não apenas pelo ponto de vista estético – apesar de ele ser bastante importante. Um design profissional é responsável por transmitir a essência da marca ao visitante, influenciar o fluxo de navegação e ajudar no atingimento dos objetivos.

Não é por acaso que um dos campos que mais tem se desenvolvido atualmente no ambiente digital é o de Experiência de Usuário (UX), boa parte dele centrado no design estratégico de canais como sites e aplicativos.

Cabe lembrar, ainda, que a maioria dos visitantes de um site deixam ele em poucos segundos quando não sentem confiança – e esta confiança é, em boa parte, traduzida por um design profissional.

4. Qualidade de Texto e Conteúdo

Não só de um bom layout, entretanto, sobrevive um website. O conteúdo tem um papel fundamental na comunicação com o visitante, no incentivo à conversão e na construção da reputação da sua empresa.

Assim como em qualquer outro canal de comunicação utilizado pela sua empresa, aqui texto, imagem e vídeo precisam ser desenvolvidos com qualidade e em uma linguagem adequada ao perfil de seu público.

É essencial, ainda, lembrar que no ambiente digital objetividade e clareza são fundamentais para que os resultados sejam alcançados. Por isso, o copy precisa estar em sintonia com toda a organização do site e com os seus objetivos para que sejam efetivos.

5. Velocidade de carregamento e demais critérios de SEO

Por fim, não poderíamos deixar de falar de critérios técnicos, que fazem parte da estratégia de SEO (Search Engine Optimization – otimização para mecanismos de busca). Neste ponto, temos alguns elementos fundamentais, como a velocidade de carregamento e o sitemap (forma como os conteúdos estão organizados).

São eles que garantem parte da boa experiência do usuário em seu site e são avaliados pelas ferramentas como o Google na hora de apresentar suas páginas como resultado de determinada pesquisa. Fazem parte desses critérios, também, a hierarquia dos conteúdos, com utilização de títulos e subtítulos, a qualidade dos textos, a utilização de meta dados, entre outros elementos.

Aqui, o importante a lembrar é: quanto mais bem seu site responder à pergunta de um usuário, melhor será seu desempenho como resultado para buscas no Google e outros mecanismos de pesquisa. Isso vale tanto em relação ao conteúdo em si, quanto em relação à experiência que esse visitante terá em seu site.

Faça seu site com especialistas

Embora existam outros pontos importantes, neste artigo apresentamos os elementos de sucesso de um site que são fundamentais para uma boa estratégia de Marketing Digital. Achamos importante lembrar, somado a isso, que o site é o ponto de partida para qualquer ação online que vá realizar dentro do seu planejamento de Marketing e Vendas.

Por esta razão, é essencial que conte com profissionais especializados em cada uma das etapas de planejamento e de desenvolvimento do seu site. Apenas assim, será possível combinar estrutura, conteúdo e programação para que este canal digital cumpra seus objetivos e transmita a melhor imagem da sua empresa para o público que deseja alcançar!

Se você executa ações de Marketing Digital na sua empresa ou está começando a desenhar a sua estratégia, já sabe que aumentar a base de e-mails é um dos fatores chave para o sucesso das campanhas e da operação como um todo.
Entretanto, apenas captar ou adquirir um grande volume de dados não é o suficiente. É necessário entender porque e como construir uma base de e-mails que seja realmente efetiva para levar às vendas, especialmente se atua em mercados de nicho ou no segmento B2B.
Neste artigo, vamos compartilhar um pouco da nossa experiência conduzindo campanhas de Marketing Digital e de Inbound Marketing, tendo as listas de contatos como um dos pontos centrais para chegar nos resultados esperados. Confira!

Por que aumentar a base de e-mails?

Mas por que mesmo é preciso aumentar a base de e-mails? Como qualquer meta a ser estabelecida dentro de uma área de Marketing e Vendas, simplesmente buscar os números não irá garantir que as conversões aconteçam.

É preciso entender o objetivo maior relacionado à esta métrica numérica e, continuamente, observar se eles estão de fato relacionados em todas as ações que forem realizadas.

Veja abaixo alguns dos objetivos que devem estar por trás das suas ações para ampliar a base de contatos:

Abastecer a estratégia de Inbound Marketing

Falamos bastante aqui no blog sobre a importância do Inbound Marketing para gerar mais leads qualificados, de forma sistemática e com menor custo para a sua empresa.

Pois bem, para que uma estratégia de Inbound seja efetiva, é essencial garantir que os visitantes de seu site, de seu blog e de suas landing pages sigam a etapa seguinte, fazendo cadastro em suas listas (o chamado opt-in).

Ou seja, de nada adianta efetuar campanhas para atrair visitantes se você não tiver já planejado quais serão os campos de cadastro em seu site para aumentar a sua base de e-mails a partir dessas sessões. E, depois disso, poder nutrir e classificar estes leads de forma a descer ainda mais no funil, até chegar na conversão desejada.

Realizar campanhas mais precisas

Ter uma base de e-mails qualificada também é importante para que seu negócio realize campanhas mais efetivas e direcionadas para o público certo.

Você pode usar suas listas de diferentes formas:

  • Campanhas de e-mail marketing, anunciando alguma condição especial de compra, por exemplo
  • Remarketing em ferramentas de anúncios do Google, do Facebook e do LinkedIn
  • Ampliação de público por perfis semelhantes (Lookalike) em ferramentas de anúncios do Facebook e do LinkedIn

O importante é entender que, assim que você consegue aumentar a sua base de e-mails, consegue também segmentar o público de formas diferentes, de acordo com o objetivo que deseja alcançar.

Por exemplo, se você tem prospects que já estão em suas listas, mas não avançam para a compra, pode realizar campanhas tanto via e-mail quanto nas redes sociais específicas para este público, sem impactar potenciais clientes que ainda não tiveram contato com a sua empresa. Assim, a mensagem se torna também muito mais personalizada!

Direcionar tráfego qualificado para o seu site

Com uma lista de contatos consolidada, você também direciona este público continuamente para o seu site, garantindo tráfego qualificado para os seus novos materiais para donwload ou para os artigos do seu blog recém-publicados.

Esta é uma forma de efetivamente entregar as mensagens que deseja sobre o seu mercado, sobre a sua empresa e sobre o seu produto ou serviço a quem realmente importa. Desta maneira, o número de sessões começa a deixar de ser um número apenas abstrato para significar também entrega de conteúdo que converte em vendas.

Como aumentar a sua base de e-mails?

Agora que você já conhece a real importância de fazer crescer a sua base de contatos qualificados, é hora de ver algumas dicas de como isso pode ser feito. Listamos abaixo as ações mais simples que podem ser implementadas pela sua empresa (e também aquelas que certamente deveriam estar em sua estratégia):

Call to actions claros no site

Vemos muito sites muito bem construídos no mercado, com excelente layout e também programação. Porém, muitos deles pecam em um ponto muito importante: ter chamadas claras para a ação.

Os chamados call to actions podem ter diferentes mensagens e também captar diferentes informações do seu visitante. O mais comum e obrigatório, é claro, deve ser o “Fale Conosco”, forma clara para que entrem em contato com a sua empresa.

Mas não se deve limitar as oportunidades apenas para as situações em que o visitante tem uma necessidade imediata de contato. Por isso, não deixe de ter campos de cadastro para recebimento de newsletter, para download de cases, para acessar algum vídeo sobre a sua solução…

Apenas tome cuidado: a experiência do usuário é ponto de extrema importância! Use formulários sem exagerar e prejudicar a navegação.

Materiais ricos para download

Além dos call to actions no seu site, uma estratégia muito efetiva para aumentar e construir uma base de e-mails é a produção de materiais ricos para download em landing pages específicas.

Embora sejam os ebooks os formatos mais comuns, eles não são a única opção. É interessante diversificar esses materiais para planilhas, vídeos, guias, manuais e qualquer outro formato que possa ser interessante para o público que deseja alcançar.

E não basta apenas produzir o conteúdo e colocá-lo em uma página para download. Pense em campanhas para distribuí-lo via redes sociais, site, parceiros e o que mais tiver acesso como canal de Marketing.

Eventos presenciais e online

Eventos também costumam ser bastante efetivos para o crescimento das listas de contato, especialmente por garantirem um público realmente interessado nos temas relacionados ao seu negócio.

Esses encontros podem ser presenciais, como seminários, feiras e workshops. Apesar do custo alto, quando bem planejados eles podem levar a bons negócios, tanto a curto quanto a médio prazo.

Mas, se ainda não existe orçamento destinado a este fim no seu negócio, sempre é possível realizar os webinars, seminários online e gratuitos. Utilizando ferramentas como Google Hangouts e YouTube, você pode transmitir conteúdos ao vivo para o seu público, com baixo esforço e baixo investimento.

E, é claro, todos os inscritos para participar se tornam parte da sua base de -emails!

Nunca compre bases de dados!

Aqui neste artigo falamos sobre três maneiras muito fáceis de implementar a sua captação de cadastros de forma contínua, de forma a crescer a sua base de e-mails – ou pelo menos começar a fazer isso estruturadamente.

E, neste ponto, gostaríamos de deixar um alerta. Existe uma forma ainda mais simples de aumentar a sua base de contatos, que é comprar ou baixar listas de e-mails que não se cadastraram em seus formulários para subir em sua ferramenta de automação de Marketing.

Ok, isso até pode ajudar a ampliar seus públicos de remarketing. Mas dificilmente será efetivo para a estratégia de Inbound Marketing e, além disso, seus e-mails podem ser marcados como spam por um grande número de usuários, comprometendo a entrega de suas mensagens futuras. Um barato que pode acabar saindo muito caro…

Conteúdo de qualidade atrai novos inscritos

Ou seja, quando falamos em aumentar a base de e-mails, existe um trabalho importante a ser feito e que nem sempre traz resultados imediatos – apesar de ele sempre vir.

Se a sua empresa quer gerar leads, se relacionar com o público potencial e otimizar o orçamento, será importante manter a produção de conteúdo de qualidade recorrente e inovar nas opções para que os visitantes de seu site façam cadastro voluntariamente em suas listas.

Existem muitos atalhos no mundo do Marketing, mas o que garante constância e resultados de qualidade sempre será seguir as boas práticas e pensar no que é melhor para o seu público!

Produzir conteúdo para blog de forma recorrente é uma estratégia muito acertada conduzida por empresas que estão focando em Inbound Marketing como forma de gerar leads e engajá-los rumo ao fechamento do negócio.
Da mesma forma, entretanto, é um erro comum não dar a devida importância para a qualidade dos textos e a sua relevância para o público que se deseja alcançar. Não por acaso, depois de alguns meses, muitas empresas acabam desistindo deste canal por não terem alcançado reais resultados com o conteúdo produzido.
Neste artigo, vamos reforçar porque a sua empresa deve, sim, investir em produção de conteúdo para blog e apresentar as principais etapas de criação para que ele impulsione as sessões de seu site com visitantes qualificados para o seu negócio!

Por que investir em conteúdo para blog?

Dentro de uma estratégia de Inbound Marketing, o blog desempenha um papel crucial: atrair potenciais clientes para o seu site, por meio de diferentes fontes, como redes sociais e busca orgânica (via ferramentas de pesquisa como o Google).

Pensando no funil de Marketing e Vendas, portanto, o conteúdo para blog é importante, principalmente, para abastecer o seu topo, atraindo visitantes. Porém, cabe lembrar: quando os artigos são bem produzidos, eles garantem que o visitante dê o passo seguinte e faça algum cadastro em sua base de dados (baixando algum material ou inscrevendo-se na newsletter, por exemplo).

Ou seja, não basta que os textos publicados em seu site sejam excelentes iscas para cliques, gerando um grande número de visitantes. É necessário que eles efetivamente encantem e engajem o seu potencial cliente, para que ele veja em sua empresa um provedor de conteúdo relevante e uma marca que pode ajudá-lo a solucionar seus principais problemas ou necessidades, seja na vida pessoal, seja na vida profissional.

Passo a passo para produzir artigos para blog

Aqui na Fusão Online, temos obtido bons resultados nos projetos de Inbound Marketing com nossos clientes. E, sem dúvidas, os blogs corporativos que gerenciamos têm contribuído para isso.

Abaixo, vamos detalhar as etapas que seguimos internamente para que os artigos produzidos gerem o impacto que esperamos no topo do funil e abasteçam todo o restante da estratégia. Confira!

1.Conhecer as personas de forma aprofundada

Antes de pensar em temáticas e começar a redigir qualquer conteúdo, é necessário um olhar atento para quem de fato irá ler os artigos. Pode parecer básico, mas muitas empresas, especialmente as do segmento B2B, não levam esse fator tão a sério.

Isso significa pensar não só o que é importante para as personas (suas dores no dia a dia de trabalho, seus principais interesses), mas também entender de que forma gostam de se informar e em que nível de profundidade.

Neste contexto, uma falha comum é publicar artigos com informações muito básicas, que não trazem nada de novo para quem já está lendo devido ao seu nível de experiência profissional. Ou, então, utilizar uma linguagem mais casual ou mais formal do que é esperada pelo público.

2. Entender as principais dores da persona

Ao começar a definição dos temas dos conteúdos para blog, muitos profissionais partem logo para as ferramentas de análise de palavra-chave, como Google Trends, Keyword Planner ou Ubersuggest.

Nossa recomendação é que você dê um passo atrás e primeiro entenda o que realmente tem “tirado o sono” do seu potencial cliente, especialmente se a sua empresa atuar no mercado B2B.

Para isso, vale, inclusive, fazer algumas entrevistas com clientes atuais, que podem trazer insights poderosos!

Dessa forma, você consegue perceber tendências e oportunidades que talvez seus clientes não estejam considerando e, principalmente, definir onde deve focar primeiro em relação aos temas que serão definidos.

3. Analisar as tendências de busca

Agora sim, é hora de olhar nas ferramentas de análise de palavra-chave quais são as tendências de busca para os temas relacionados às dores de suas personas. Faça simulações em sites como Ubersuggest para verificar o volume de busca atual, os resultados que hoje aparecem nas primeiras posições para busca e também as palavras-chave relacionadas, que podem ser trabalhadas em seu planejamento de conteúdo.

No Google Trends, é interessante também observar as tendências dentro do seu setor, temáticas pelas quais o interesse tem crescido e que podem ainda não ter sido o foco dos artigos de seus concorrentes.

A partir destes estudos, faça uma lista das principais palavras-chave para as quais irá produzir artigos, ordenando-as por ordem de prioridade – que pode considerar volume de busca x facilidade para estar na primeira página de resultados.

4. Planejamento de conteúdo

Com a lista das palavras-chave que servirão como base para seus artigos, é hora de elaborar o planejamento de conteúdo. Isso vai bem além de definir um título e uma keyword foco.

É hora de pensar para qual persona ele será desenvolvido e em que etapa do funil de Marketing ela está. Lembrando que, em projetos de Inbound, normalmente o blog é eficiente para o topo do funil, na fase de descoberta, mas pode também ser utilizado para a publicação de conteúdos que serão utilizados em fluxos de nutrição, por exemplo.

Aproveite para detalhar o briefing para quem irá redigir o texto, com referências, ideia principal, sugestão de título e estrutura e principais pontos a serem abordados. Trabalhar bem essa etapa garante que o artigo que chegará em suas mãos tenha realmente tudo o que você espera!

Organize, ainda, a sequência de posts em um cronograma, com periodicidade regular e alinhada às suas ações de redes sociais.

5. Redação, revisão e edição

Finalmente, neste ponto, chegamos à produção do conteúdo em si. Recomendamos fortemente contar com uma equipe especializada para escrever, revisar e editar o texto.

Afinal, o conteúdo para blog pode ser um ativo de curto, médio e longo prazo. A curto prazo, você o promociona em redes sociais e o compartilha com sua base de e-mails. A médio e longo prazo, ele começa atrair um volume de tráfego interessante para o seu site e contribui para a geração de leads.

Isso somente é possível, entretanto, se o texto estiver muito bem escrito e trouxer informações relevantes para o leitor. Cabe, ainda, incluir vídeos, imagens, infográficos e outras mídias que tornem este artigo ainda mais atrativo.

Nesta etapa principal de produção, lembre-se de que o objetivo é criar algo único e inesquecível para o seu potencial cliente!

6. Publicação e promoção

Depois de o conteúdo ser redigido, revisado e editado, é hora de publicá-lo. Essencial que isso aconteça em um site com layout e desenvolvimento profissional, que remeta aos seus visitantes toda a credibilidade que deseja transmitir com a sua empresa.

É importante, além do texto em si, lembrar de escolher boas imagens de destaque, incluir tags e realizar todas as configurações necessárias para um bom posicionamento nas ferramentas de busca. Para isso, também recomendamos contar com especialistas.

E, na hora da divulgação, não deixe de explorar diferentes recursos nas redes sociais, pensando em formas de desdobrar esse conteúdo para muito além de um link: infográficos, cards, pílulas de conteúdo, por exemplo.

7. Otimização de conteúdo para blog

Este último ponto é simplesmente para lembrar que um artigo não termina em sua publicação no seu blog. É fundamental continuar olhando para os seus resultados continuamente, principalmente para identificar oportunidades de otimização.

Com o tempo, isso significa, inclusive, atualizar o conteúdo, adicionando novos termos e tendências associados ao tema. Portanto, não deixe de monitorar mês a mês o desempenho de cada um de seus posts, entendendo também quais são os novos concorrentes para as palavras-chave para as quais está ranqueando.

Se conteúdo é rei… você o trata como um?

No mundo do Marketing, existe uma expressão que diz que “Conteúdo é rei”, tamanha a sua importância. Entretanto, não são poucas as vezes em que vemos empresas produzirem textos para os seus blogs que não estão nem perto da realeza.

Se a intenção é obter resultados, ocupar as primeiras posições nas buscas e encantar potenciais clientes, não há outra opção a não ser cumprir todas as etapas que listamos neste artigo, empregando os melhores recursos em cada uma delas. Qualidade determina se um conteúdo alcançará sucesso ou não. Está nas suas mãos garantir que ela esteja presente em seu blog!

Entre as redes sociais, o Instagram tem se tornado o queridinho entre os usuários, especialmente se olharmos para o público consumidor mais jovem, na faixa dos 20 aos 35 anos. Por isso, não poderia ser diferente: as empresas, mesmo as que atuam no segmento B2B, estão olhando com mais interesse para este canal, entendendo quais são as oportunidades e os caminhos para trabalhar com Marketing no Instagram com o objetivo de alcançar melhores resultados.
Neste artigo, vamos compartilhar um pouco da nossa experiência gerenciando campanhas nesta mídia social, assim como informações sobre seu crescimento e boas práticas na sua gestão. Confira abaixo!

Instagram: por que é uma rede social para ficar de olho?

Mais do que a percepção do mercado, é interessante olharmos para os números que podem apoiar a decisão de investir ou não no Instagram como ferramenta de Marketing. Os dados abaixo ajudam a entender, também, qual o perfil desta rede social.

Segundo dados da própria plataforma, em outubro de 2018 o Brasil alcançou a marca dos 64 milhões de usuários – mundialmente, somos o segundo país com maior adesão à rede. E esses valores não param de crescer, o Instagram tem crescido em patamares mais altos do que o Facebook e alcançou o posto de terceira rede mais utilizada no mundo.

Olhando para o perfil de utilização da rede no Brasil, os dados da pesquisa feita pela Opinion Box em 2018 mostram que 25% dos usuários de internet já possuem o Instagram como rede social mais utilizada, número que sobe para 35% quando considerada a faixa etária até 29 anos. Além de representar uma excelente oportunidade para marcas que possuem este público como foco, é interessante considerar que este é o perfil de profissionais que estão consolidando suas carreiras no mercado. Logo, pode ser interessante a aproximação dos atuais e futuros decisores para compra no segmento B2B.

Quanto ao relacionamento com as marcas, mesmo o Instagram sendo uma rede social que, ao primeiro olhar, pareça ser mais voltada para a interação entre as pessoas, 83% dos entrevistados pela pesquisa da Opinion Box afirmaram seguir e acompanhar empresas neste canal. Uma boa fatia de mercado a ser conquistada!

Instagram para negócios: quais são as principais oportunidades?

Se investir em uma estratégia no Instagram faz sentido para a sua empresa, é importante entender quais são os caminhos possíveis para construir suas ações. Nesta hora, escolher um foco é essencial, o que irá garantir coesão em todo o conteúdo produzido. Para isso, antes de mais nada, defina o que é mais importante: gerar visibilidade para a marca? Efetivar vendas? Atrair novos colaboradores para o time?

A partir disso, existem alguns objetivos que podem ser alcançados por meio de Marketing no Instagram, que listamos abaixo:

Engajamento de comunidade

O Instagram é uma rede social bastante propícia para engajamento com o público, tanto em torno de marcas quanto em torno de causas associadas a elas. Isso pode acontecer por meio dos posts na timeline, dos stories e do IGTV, com múltiplas possibilidades de incentivar esse relacionamento.

Não é por acaso que muitos influenciadores estão migrando suas ações para esta mídia, afinal, ela apresenta taxas mais altas de interação e possui recursos como enquetes e perguntas, que permitem conhecer melhor o público.

Para uma empresa, isso também pode ser foco, basta adaptar o discurso. Um negócio do mercado imobiliário pode engajar seus corretores, um negócio de tecnologia pode ser um hub de informações para potenciais clientes, apenas como exemplo.

Realização de concursos e premiações

Entre as ações que podem ser realizadas ao trabalhar com Marketing no Instagram estão os concursos e premiações, desde os já comuns sorteios para seguidores até interações mais sofisticadas, pensadas de forma mais customizada.

Este pode ser um bom caminho para aumentar o número de seguidores ou impulsionar o engajamento de forma orgânica. Vale como aposta em datas comemorativas, no lançamento de novos produtos ou serviços ou na divulgação de uma nova frente de negócio.

Apenas recomendamos que, caso realize alguma ação do tipo, verifique todas as regras a serem atendidas em ações promocionais.

Ações de Employer Branding

Para as empresas cujo desafio seja atrair e recrutar colaboradores, utilizar o Instagram como canal de divulgação é uma boa alternativa. De fato, muitas das empresas que estão nessa rede social a utilizam como forma de promover o ambiente de trabalho, a cultura e as oportunidades profissionais.

O Instagram permite que isso seja feito de forma bastante natural, inclusive concentrando postagens do próprio quadro atual de funcionários por meio de hashtags que façam referência à empresa.

Relacionamento com influenciadores

Investir no Instagram também pode fazer parte de uma estratégia maior de relacionamento com influenciadores. Como muitas dessas personalidades estão construindo suas marcas pessoais nesta rede social, combinar ações é um excelente caminho.

Assim, é possível cruzar interações entre marca e influenciador, não apenas para uma ação contratada, mas construindo um relacionamento sólido e contínuo.

Vendas a partir da plataforma

O Instragram já possui bons recursos para venda de produtos pela internet. Por ser possível marcar itens da sua loja nos posts e nos stories, ele se tornou uma ferramenta poderosa para e-commerce, inclusive pela possibilidade de aliar conteúdo a anúncio.

Publicidade Online

É claro, não poderia deixar de constar a oportunidade de utilizar a ferramenta de publicidade online do Instagram, gerenciada a partir da plataforma de anúncios do Facebook. São múltiplas as possibilidades de formatos de anúncio e de critérios para segmentação.

Desta forma, campanhas digitais se tornam bastante efetivas, seja qual for o objetivo do negócio.

Marketing no Instagram: recomendações para uma estratégia de sucesso

Apesar de múltiplas oportunidades, como todo canal de conteúdo, o Instagram exige uma estratégia aprimorada, indo muito além de simplesmente realizar postagens.

Abaixo algumas recomendações essenciais a serem seguidas:

1.Construir conteúdo autêntico e relevante

Não poderia deixar de estar aqui a construção de conteúdo relevante para o seu potencial cliente. Este conteúdo, é claro, deve ser pensado de acordo com as diversas possibilidades: belas imagens, vídeos, enquetes e perguntas nos stories, entre outros.

O importante é desenhar um planejamento que entregue informações relevantes, com uma boa construção visual.

2. Ter constância nas publicações

Ao contrário de redes como Facebook e LinkedIn, nas quais o volume de postagens pode ser de 2 a 3 publicações por semana e, ainda assim, garantir bons resultados, o Instagram pede mais frequência, com um bom mix entre os formatos disponíveis.

Por isso, ao começar uma estratégia de Marketing no Instagram, planeje-se para produzir maior volume de conteúdo, principalmente para Stories, cuja duração é de 24 horas no perfil.

3. Aproveitar as possibilidades de gerar interação

Também é importante pensar o Instagram como uma ferramenta dinâmica, na qual as postagens devem incentivar interações via comentários, respostas nos Stories e publicações dos seguidores com uso de hashtags.

Tratar o Instagram como uma rede de mão única, na qual apenas são compartilhados os conteúdos da empresa, é perder excelentes oportunidades de interação com o público que pode ser seu potencial cliente.

4. Conquistar seguidores dentro das boas práticas do mercado

Por fim, mesmo que haja boas oportunidades de crescer de forma acelerada por meio de ferramentas que prometem o aumento de seguidores, o melhor caminho é seguir as boas práticas do Instagram: crescer organicamente, a partir de conteúdo próprio, e por meio de anúncios muito bem segmentados.

Desta forma, você consegue garantir maior aderência entre o público conectado ao perfil e o foco de seu negócio, evitando um baixo engajamento a longo prazo.

Como começar o posicionamento da sua empresa no Instagram?

Investir em Marketing no Instagram, sem dúvidas, é uma estratégia que precisa estar nos planos dos empreendedores e dos líderes de Marketing. Além da importância que esta rede social já possui no mercado, é promissor o seu crescimento ao longo dos próximos anos.

Mas, para começar esse tipo de ação, entretanto, é necessário estabelecer objetivos, escolher os focos principais e desenhar ações para que os resultados sejam alcançados. Neste sentido, contar com uma agência que tenha experiência em projetos neste campo e esteja continuamente atualizada sobre as novas oportunidades pode fazer toda a diferença!

A Automação de Marketing já está na pauta há alguns anos, com significativo número de empresas apostando nessa estratégia para acelerar resultados aqui no Brasil. Portanto, é difícil classificá-la como uma tendência para o universo de Marketing e Vendas.
Mesmo assim, ainda existem muitos negócios com oportunidades relevantes a explorar com base nesse tipo de ação, tanto os que já possuem fluxos automáticos implementados, quanto aqueles que ainda estão dando os primeiros passos na descoberta de como a tecnologia pode automatizar relações e influenciar toda a jornada de compra de seus potenciais clientes.
Esteja você em uma ou outra dessas situações, achamos importante compartilhar o que vemos como principais benefícios, práticas e cuidados na hora de conduzir sua estratégia. Confira no artigo!

O que é Automação de Marketing?

Assim em como qualquer outra área do mercado, o termo automação está relacionado a um sistema automático, capaz de executar ações sem a necessidade de interferência humana em cada passo. Por meio de pré-definições, a automação realiza atividades e medições.

Ou seja, a partir disso, no que diz respeito a Marketing e Vendas, a automação está relacionada a interações com o potencial cliente de forma sistematizada, utilizando softwares e ferramentas digitais em diferentes etapas de sua jornada de compra.

O trabalho manual é reduzido e, o que vemos como ponto principal, você passa a ter informações relevantes sobre seu prospect em cada ponto de contato com a sua marca, como visita ao site, leitura de conteúdos, interação em redes sociais, abertura de e-mails, entre outros. E são essas informações que levam a estratégias cada vez mais assertivas para conversão de resultados!

Por que investir em Automação de Marketing?

Já que estamos falando sobre conversão de resultados em Marketing e Vendas, que é o principal objetivo do marketing automatizado, é importante explorar outros benefícios que esta estratégia traz para os negócios:

1.Otimização do tempo da equipe de Marketing

Para começar, sem dúvidas, está a otimização do tempo do time de Marketing, principalmente em demandas recorrentes e operacionais, associadas às primeiras etapas de atendimento a um potencial cliente.

É claro, os primeiros meses de implantação de uma estratégia de Inbound Marketing exigem dedicação extra para produção de conteúdos, planejamento de campanhas e setup de fluxos de interação automatizados.

Porém, com o tempo, é possível facilmente escalar essas ações, consolidando de fato uma máquina de geração de leads a partir dos materiais produzidos e dos processos automatizados.

2. Preparação do lead para a compra

Caso a sua empresa ainda não trabalhe com Automação de Marketing, provavelmente sejam comuns as situações nas quais leads sejam descartados por ainda não estarem prontos para a aquisição. Nessas situações, isso é totalmente natural. Afinal, o time comercial precisa realmente focar naqueles contatos que estão mais próximos de fechar negócio.

O desperdício desses leads menos maduros, entretanto, acaba custando caro para as empresas – que podem os perder para os concorrentes quando o momento oportuno chegar ou, até mesmo, podem precisar captá-los novamente.

Com um bom planejamento de nutrição desses leads por meio de fluxos automatizados de conteúdo, entretanto, é possível preparar os prospects que estão em fases iniciais do funil para a compra, entregando-os ao time comercial apenas quando estiverem prontos para conversar sobre aquisição, aumentando a taxa de conversão e reduzindo o custo operacional.

3. Classificação dos leads de acordo com estágio de nutrição

Isso tudo é possível, é claro, apenas com a identificação dos leads de acordo com o seu estágio de compra dentro do fluxo de nutrição. Por meio das plataformas de Automação de Marketing, como o RD Station (do qual somos parceiros), pode-se estabelecer critérios para qualificação dos leads de acordo com a sua atividade online.

Por exemplo, um cadastro que entra pela página de seu serviço ou produto, já interessado em informações sobre orçamento, certamente está muito mais próximo da aquisição do que aquele que deixou seus dados pessoais para fazer o download de um material sobre os desafios do mercado.

Assim como aquele contato que abre todas as suas newsletters e visita seus principais artigos de blog provavelmente esteja mais próximo da sua marca e de confiar em sua empresa como uma potencial fornecedora.

Para cada tipo de atividade, portanto, é possível estabelecer uma pontuação que fará parte do lead scoring, que pode ser entendido como a classificação de relevância de sua base de prospects.

4. Campanhas de Marketing mais efetivas

A partir do lead scoring, é claro, as campanhas de marketing se tornam também muito mais efetivas. Enviar automaticamente uma condição especial baseada em redução de preço para os leads que se interessaram por conteúdos que falam em economia é um exemplo do que pode ser feito.

O importante a considerar é que você poderá segmentar a sua base de dados de acordo com múltiplos fatores, direcionando próximos passos automatizados de acordo com cada perfil de potencial comprador.

5. Produtividade do time de Vendas

Não precisaríamos nem comentar o quanto isso é positivo para o time comercial… Em vez de desperdiçar horas fazendo reuniões presenciais e virtuais com leads que estão nos estágios iniciais de compra, os melhores vendedores podem focar efetivamente em fechar negócio.

Enquanto isso, o time de Marketing e uma equipe de SDRs (sales development representatives) podem qualificar, filtrar, nutrir e aquecer leads que não estejam no momento ideal para a aquisição de seu produto ou serviço.

6. Melhores resultados, com menos esforços

Portanto, fechando as vantagens em se investir em Automação de Marketing, é possível dizer que com um trabalho bem planejado e excelente integração entre as ações de Marketing e Vendas, o processo comercial da sua empresa pode realmente ser escalado, com objetividade nas negociações e uma verdadeira máquina de vendas rodando continuamente.

Ferramentas de Automação de Marketing: como funcionam?

A fim de efetivamente implementar um processo de Automação de Marketing, é necessário contar com uma plataforma específica para este fim. Por meio dessas ferramentas, geralmente, é possível:

  • Criar landing pages para captação de cadastros
  • Gerenciar e segmentar bases de dados
  • Definir pontuações e classificar seus contatos por meio de lead scoring
  • Criar e programar e-mails marketing
  • Gerenciar fluxos automatizados de mensagens

Para que possa visualizar melhor o que pode ser feito com uma ferramenta de Automação de Marketing, recomendamos assistir ao vídeo de apresentação do RD Station, do qual somos agência parceira.

Cuidados ao começar seu projeto de Automação de Marketing

Apesar de todos os benefícios associados à essa estratégia, entretanto, vale ressaltar alguns cuidados importantes a considerar em suas ações. Confira abaixo:

Expectativa de retorno imediato

Um bom trabalho de Inbound Marketing com Automação demora  a partir de três meses para apresentar os primeiros resultados. Ou seja, não adianta planejar metas agressivas a partir deste foco logo no início de sua operação. Tenha em mente o investimento inicial para que os resultados comecem a se consolidar.

Qualidade de conteúdo

Para nutrir leads ao longo de um processo automatizado, é preciso apostar em conteúdo de qualidade em todas as etapas de interação. Banners, peças de redes sociais, landing pages, e-mails, artigos, ebooks… Todas essas peças precisam ser muito bem elaboradas, tanto do ponto de vista textual quanto visual.

Integração com CRM

As plataformas de Automação de Marketing não são equivalentes às ferramentas de CRM – mas ambas precisam estar muito bem integradas. Apenas assim será possível medir a efetividade de cada campanha e o custo por lead e por venda a partir delas.

Acompanhamento de resultados

Como estamos falando em mensuração, por mais que seja possível criar fluxos automatizados que exigem pouca interação humana após configurados, é essencial que sejam acompanhados os resultados continuamente, fazendo mudanças e implementando otimizações e melhorias sempre que possível.

Equipe dedicada

Para cumprir o ponto acima, sem dúvidas, é preciso um colaborador, uma equipe ou uma agência especializada, que entenda todo o potencial da plataforma de automação, assim como os objetivos do negócio. Desta maneira, será viável consolidar um processo de Automação de Marketing que traga sempre melhores resultados.

Vamos começar seu projeto?

Como você percebeu neste artigo, existem muitas vantagens em desenvolver um projeto de Automação de Marketing dentro de uma empresa. É claro, como qualquer ação que envolva Marketing e Vendas, torna-se necessário realizar um excelente planejamento e conduzir o projeto de forma organizada, com foco nos seus objetivos e em melhorias a fim de alcançá-los.

Caso tenha interesse em estruturar o seu projeto, fale conosco!

Inbound Marketing ou Outbound Marketing: qual metodologia de marketing e vendas escolher para gerar leads para a sua empresa? Esta é uma questão que faz parte do nosso dia a dia na Fusão Online, trazida pelos empreendedores e gestores da área de Marketing que precisam acelerar negócios e não querem correr o risco de apostar em ações pouco efetivas.
Para tomar essa decisão certeira, entretanto, não se pode deixar de passar por um bom planejamento, no qual sejam entendidos elementos fundamentais do negócio em questão. Quem é o cliente ideal? Como é a jornada de compra desta persona? Quais são os canais que ela utiliza e o tipo de mídia que consome? Qual o tamanho da verba a ser investida? Quais são as metas e os objetivos da empresa a curto e a longo prazo?
A partir de então, podemos olhar Inbound Marketing e Outbound Marketing e entender quais estratégias fazem mais sentido para que este planejamento se consolide em bons resultados. E, para isso, consideramos os fatores que vamos explorar neste artigo. Confira!

O que é Inbound Marketing?

Antes de falar sobre quais são as principais aplicações de Inbound Marketing, é necessário entender o que caracteriza esta metodologia, certo? E, por mais que você esteja familiarizado com o termo, vale a pena revisar!

Inbound Marketing, portanto, é uma metodologia de atração de potenciais clientes. Ele também pode ser chamado de “Marketing de Atração” e seu objetivo é despertar o interesse genuíno de potenciais clientes por meio da oferta de materiais e conteúdos que respondam às suas principais dúvidas e os ajudem a superar seus principais desafios.

Por ser centrado neste interesse genuíno, quando construído de forma muito bem estruturada, o Inbound Marketing oferece custos bastante inferiores na aquisição de clientes, assim como ajuda a mantê-los fidelizados e, até mesmo, os incentiva a serem embaixadores da marca.

Outro ponto importante do Inbound Marketing é que ele costuma acompanhar o potencial cliente ao longo de todo funil de vendas, desde a fase em que ele ainda desconhece que exista um problema a ser solucionado, passando pelo entendimento desse desafio e das suas possíveis soluções e chegando ao momento de decisão por um produto ou serviço.

Principais estratégias de Inbound Marketing

O Inbound Marketing, embora possa considerar estratégias offline, é geralmente conduzido com recursos do Marketing Digital e centrado em um canal principal: o site da empresa.

A partir do site, é possível atrair visitantes utilizando técnicas de SEO e produzindo conteúdos a partir de termos de busca relevantes para a persona, além de fazer a distribuição de artigos ou outros formatos via redes sociais.

Depois dessa fase, esses visitantes podem realizar o cadastro em sua base de e-mails, seja a partir de uma landing page para download de um material, seja pelo cadastro na sua newsletter ou, ainda, por outras ações em que compartilhem de forma voluntária os dados pessoais com a sua empresa.

Com a base de cadastros de potenciais clientes armazenada em sua ferramenta de automação de marketing, como o RD Station, você pode começar a nutrir esses estes prospects por meio de fluxos automatizados de interação, por e-mail marketing, SMS ou qualquer outro canal que faça sentido dentro de sua estratégia.

É desta forma que o Inbound Marketing se torna efetivamente uma “máquina” de Geração de Leads, entregando à equipe de vendas apenas aqueles leads que estejam bastante qualificados dentro dos parâmetros estabelecidos e mais próximos da aquisição.

O que é Outbound Marketing

Se o Inbound Marketing é o “Marketing de Atração”, por outro lado temos o Outbound Marketing como o “Marketing de Interrupção“. Ele recebe este nome por, ao contrário do Inbound, interromper a experiência de seu potencial cliente com algum conteúdo de Marketing e Vendas.

É o caso dos comerciais no intervalo da programação de TV, que interrompem um conteúdo da sua escolha para apresentar algo sobre o que você não tenha necessariamente um interesse genuíno.

O Outbound Marketing, porém, não deixa de ser importante para atingir os potenciais clientes da sua empresa. Pelo contrário, ele pode ser uma boa metodologia para ajudar o negócio a ganhar reconhecimento e a atingir um amplo público. Além disso, as estratégias de Outbound Marketing costumam ir “direto ao ponto” comercialmente, trazendo os tão esperados resultados a curto prazo, apesar de geralmente virem com um custo mais alto.

Principais estratégias de Outbound Marketing

Embora muitos associem Outbound Marketing apenas ao mundo offline, ele está também muito presente nas estratégias online. Ou os pop ups de propaganda que pulam na sua tela quando entra em um site de notícias não são, afinal, uma grande interrupção?

No mundo virtual, o Outbound Marketing também está presente em banners nos sites, cold emailing, prospecção utilizando social selling, anúncios de vídeo no YouTube, entre outros.

Já no mundo da publicidade tradicional, o Outbound Marketing pode ser identificado como malas diretas, anúncios em jornais e revistas e comerciais de televisão, como já mencionamos anteriormente.

Para conseguir identificar melhor estas ocorrências, basta pensar no Outbound Marketing como aquelas ações em que o anunciante chama a atenção do público para si, como se dissesse “eu tenho uma solução para você”, mesmo que você não tenha perguntado – ou sequer seja o público alvo deste produto ou serviço.

Como escolher entre Inbound Marketing e Outbound Marketing

Apesar do grande foco dado ao Inbound Marketing nos últimos anos, é preciso lembrar que nem sempre ele será a única solução para que um negócio ganhe a tração necessária para crescer, especialmente em cenários como a abertura de uma nova empresa ou o lançamento de um novo serviço no mercado, por exemplo.

O que temos visto na prática, inclusive, são excelente resultados quando as equipes de Marketing e Vendas juntam esforços para trabalhar de forma integrada diferentes estratégias, sem precisar escolher entre Inbound ou Outbound Marketing.

Neste caso, ainda, é importante lembrar que as ações de Inbound Marketing possuem um tempo de maturação, necessário para que o conteúdo produzido com foco em SEO seja indexado pelos mecanismos de busca, para que os potenciais clientes façam cadastros em seus formulários e, principalmente, para que seja possível nutrir de forma adequada esses prospects, preparando-os para a aquisição e maximizando as taxas de conversão.

Portanto, mesmo que o objetivo da sua empresa seja focar em Inbound Marketing, será preciso manter o ritmo comercial durante esses necessários meses de amadurecimento (que costumam durar, no mínimo, um semestre).

Agora, por outro lado, bem sabemos que manter apenas a metodologia de Outbound Marketing como foco para a geração de leads significa custos crescentes e uma grande dificuldade em ganhar escala – por mais que já existam tecnologias para acelerar a prospecção e para tornar as campanhas mais assertivas com base em dados.

Então, na hora de escolher entre Inbound ou Outbound Marketing nossa recomendação é não fazer essa escolha, mas sim pensar como metodologias aparentemente opostas entre si que podem ser combinadas para gerar máximos resultados!

Quando falamos sobre o uso de social media em Marketing, facilmente conectamos esses canais ao universo B2C, que conversa diretamente com o consumidor final. De fato, é possível lembrar de bons cases em segundos, assim como imaginar que tipo de estratégias podem ser mais efetivas. Mas como ficam as redes sociais para empresas B2B?
Infelizmente, existe um mito no mercado de que apostar em mídias como Facebook, Instagram, LinkedIn, Twitter e YouTube traz pouco retorno quando o objetivo é vender para outras empresas. Inclusive, é algo que tentamos reverter nas conversas com nossos clientes na Fusão Online.
Existem oportunidades bastante amplas para os negócios capazes de vislumbrar o poder das redes sociais para as empresas B2B. Neste artigo, vamos apresentar as principais funções desses canais e também alguns exemplos de conteúdo com este foco. Confira!

Redes Sociais para empresas B2B: para que servem?

Dentre todos os objetivos de Marketing, quais são aqueles que as mídias sociais ajudam a alcançar? Tudo depende da forma e do conteúdo trabalhado, é claro, mas aqui estão os principais:

1. Gerar reconhecimento de marca

Embora muitos negócios B2B não foquem em construir uma forte reputação online, este fator tem sido a cada dia mais decisivo para fechar negócio. Com o comportamento do potencial cliente majoritariamente centrado no ambiente virtual, é preciso garantir que ele encontre os diferentes canais atualizados e passando uma imagem condizente com o que procura.

Ou seja, quando um prospect está conhecendo um negócio pela internet e visita o seu site e as suas redes sociais, é essencial que ele encontre informações claras, atualizadas e direcionadas para ele.

Além disso, para empresas que estão iniciando suas operações, é essencial buscar formas acessíveis de promover alcance e visibilidade para marca, produtos e serviços. Nessas horas, nada melhor do que investir em anúncios em redes sociais.

2. Contribuir para geração de leads

As redes sociais para empresas B2B podem ser também bastante efetivas na hora de gerar oportunidades de negócio. Especialmente se a estratégia de conteúdo estiver associada a uma estratégia de campanhas online.

As ferramentas de anúncios do Facebook, Instagram e Linkedin possibilitam hoje a criação de campanhas direcionadas exclusivamente para este fim, inclusive com formulários para captação de cadastro dentro da própria plataforma.

3. Fazer parte da estratégia de Inbound Marketing

Falamos bastante aqui no blog sobre como investir em Inbound Marketing pode acelerar os resultados de Marketing e Vendas dos negócios B2B. E, para que essa máquina de vendas opere em seu máximo potencial, utilizar as redes sociais como canal de distribuição é fundamental.

De fato, na hora de divulgar artigos, ebooks, vídeos e outros formatos de conteúdo que fazem parte de sua estratégia de Inbound, as redes sociais são um dos canais mais efetivos. Justamente porque os usuários que as utilizam estão abertos a consumir este tipo de informação educativa durante sua navegação.

4. Educar clientes e potenciais clientes

As redes sociais para empresas B2B também cumprem um papel essencial na educação do seu mercado de atuação. Na hora de informar sobre atualizações importantes nos serviços, fazer onboarding de novos clientes ou incentivar o uso do que foi contratado para melhor percepção de valor, diferentes canais podem ser utilizados.

5. Promover conceitos

Por último,  as mídias sociais também podem ser importantes na hora de promover conceitos ou temas que são tendência em seu mercado ou que permeiem o seu produto ou o seu serviço.

Não é por acaso que empresas de tecnologia falam tanto sobre Transformação Digital e negócios voltados a Finanças e Contabilidade estejam sempre compartilhando informações sobre novas regulamentações.

Além de cumprir um papel de educação para a sociedade, promover este tipo de conceito ajuda a fechar novos negócios.

Mídias Sociais B2B na prática: como usar?

Depois de entender para que as social media podem ser utilizadas em um contexto de negócio B2B, a pergunta frequente é “mas quais escolher e como utilizá-las?”. O importante, nessas horas, é conhecer muito bem seu perfil de cliente, para saber quais são as redes sociais que fazem parte do seu cotidiano. De nada adianta investir fortemente no LinkedIn se a maior parte dos seus prospects sequer possui uma conta lá, por exemplo.

Com isso em mente, também é essencial conhecer as principais características dessas redes:

1. Facebook

O Facebook é a rede social mais utilizada pelos brasileiros, portanto, mesmo que você não veja ela como um ambiente profissional, não dá para ignorá-la. Afinal, seu potencial cliente certamente está lá.

O que recomendamos é usar este canal para distribuir conteúdo, compartilhar informações e postar conteúdos mais leves, que gerem engajamento entre seu público.

Para entender melhor o potencial de uso do Facebook no B2B, recomendamos acompanhar o trabalho da Resultados Digitais, empresa de tecnologia que desenvolveu o RD Station, software de automação de marketing.

Em seus posts, eles divulgam eventos, fazem brincadeiras sobre práticas comuns no mundo do Marketing e compartilham muito conteúdo.

2. Instagram

O Instagram ainda é uma rede social pouco explorada por empresas B2B. Mas há muito o que fazer neste canal!

É importante definir, primeiro, qual será o objetivo principal desta rede: promover o negócio como ambiente de trabalho ou conversar com o potencial cliente? Para ambos os casos, as oportunidades são diversas.

Como estamos falando mais sobre estratégia de geração de leads, o Instagram pode ser efetivo para mostrar cases de clientes, compartilhar o ambiente interno da empresa e engajar os potenciais clientes em torno de temas relevantes.

Embora não seja unicamente B2B, a Adobe é um exemplo que gostamos de citar sobre o uso do Instagram por empresas. Em seu perfil, a marca compartilha imagens incríveis, além de falar sobre as suas soluções para os seguidores.

3. LinkedIn

O LinkedIn, definitivamente, é o canal mais voltado para o mercado B2B na nossa lista. Apesar de ainda não ser tão popular no Brasil, esta rede vem crescendo bastante em relevância. Já publicamos outro artigo aqui em nosso blog exclusivamente sobre Marketing no LinkedIn, com as principais práticas e oportunidades, vale a pena conferir!

Este canal é efetivo para compartilhamento de conteúdo, para a conexão direta com potenciais clientes e para a prática de social selling, centrada nas figuras dos executivos da empresa.

Um exemplo interessante sobre uso do LinkedIn no B2B é o da Microsoft. Além de gerenciar uma página de empresa principal, ela promove suas diferentes soluções nas chamadas Showcase Pages. Os conteúdos são, principalmente, anúncios sobre eventos, artigos e papers que ajudam na tomada de decisão de seus prospects.

4. Twitter

O Twitter cumpre hoje um importante papel nas estratégias de Marketing das empresas de Tecnologia, uma vez que seus potenciais clientes são usuários assíduos desta rede. Para compartilhar informações e imagens de forma sucinta, mas com alta frequência, é preciso uma curadoria apurada e uma linha de comunicação muito clara para engajar os potenciais clientes.

Um bom exemplo de utilização é o Twitter do SalesForce (em inglês), que utiliza muito bem a rede para falar sobre cases, sobre o mercado e para engajar os seguidores em torno de sua marca e de suas campanhas.

5. YouTube

Por fim, a rede social que é uma das queridinhas da vez devido ao crescimento do consumo de conteúdo em vídeo, o YouTube tem desempenhado um importante papel no universo B2B. De fato, os vídeos são excelentes para engajar em torno de temas importantes para o mercado e para auxiliar na utilização de serviços e de soluções.

Um exemplo brasileiro compartilhado pelo próprio YouTube é o da ContaAzul, que em seu canal distribui informações sobre o mercado, como informes econômicos, mostra o dia a dia da empresa e transmite treinamentos online para clientes e potenciais clientes.

Redes Sociais para empresas B2B funcionam. Em qual você irá apostar?

Para nós, a grande questão quando falamos sobre redes sociais para empresas B2B não é se elas são efetivas ou não, mas sim como elas serão utilizadas em cada estratégia. Oportunidades e ferramentas não faltam, assim como bons exemplos.

Se o seu negócio deseja investir nestes canais, é hora, então, de desenhar um bom planejamento e de escolher os focos para que isso aconteça trazendo o máximo retorno. Nessas horas, vale lembrar, contar com profissionais experientes ou com uma agência especializada em mídias sociais fará toda a diferença!

Um dos objetivos essenciais do Marketing é vender mais, especialmente quando falamos no Marketing Digital, que permite uma análise muito mais precisa sobre as campanhas para a tomada de decisão. Mesmo assim, ainda são muitas as pequenas e médias empresas que não acreditam nesta área ou, então, que ainda não sabem como gerar leads na internet de forma efetiva.
Nos projetos de nossos clientes com a Fusão Online, os resultados reais para as empresas são nosso principal foco. Por esta razão, ao longo dos últimos anos, temos explorado os principais recursos e as principais oportunidades que a internet disponibiliza a fim de captar o potencial cliente, em diferentes fases de sua jornada de compra.
Neste artigo, vamos compartilhar as práticas mais comuns (e essenciais) se você está buscando entender melhor como gerar leads na internet. Boa leitura!

Por que gerar leads com Marketing Digital?

É possível acelerar a geração de leads e as vendas por meio de diferentes vertentes de Marketing. Outbound Marketing, Marketing Direto, entre outras. De fato, todas elas podem ser bastante efetivas. Porém, quando pensamos no cenário de pequenas e médias empresas, o chamado Marketing tradicional tem se tornado cada vez mais oneroso, devido aos altos custos de produção de material e de inserção de mídia, além da dificuldade de mensuração para uma correção de rota quando necessário.

Por outro lado, desde a sua popularização, o Marketing Digital tem sido um importante aliado dos empreendedores para o crescimento de seus negócios. Isso porque é possível começar com campanhas pequenas e investimentos bastante baixos, ampliando a verba na medida em que os resultados forem se consolidando.

Tomando apenas esta facilidade de não precisar aportar um grande valor antes de começar a visualizar os resultados,  já temos um bom motivo para incorporar estratégias e entender melhor como gerar leads na internet dentro do seu perfil de atuação comercial.

Saiba como gerar leads na internet – dicas para PMEs!

Existem diferentes caminhos relacionados a como gerar leads na internet, independente se a sua empresa for prestadora de serviços, comércio físico ou ecommerce. Veja abaixo, entretanto, o que não deve ficar de fora de sua estratégia sendo uma pequena ou média empresa:

Tenha um bom site

O site é o elemento principal de qualquer estratégia de Marketing Digital e, ainda mais, quando o assunto é gerar mais oportunidades comerciais. Além de ser um “cartão de visitas digital”, no qual potenciais clientes podem encontrar informações sobre a empresa, os produtos e os serviços de forma clara, o site ainda é uma excelente forma de ser encontrado por seus prospects.

Quando bem desenvolvido e construído com otimização para mecanismos de busca como o Google, há grandes chances de obter um posicionamento relevante em seu mercado, atraindo visitantes que podem se tornar compradores. É claro, também é necessário que o site tenha chamadas claras para a ação – formulários para pedido de orçamento, compra online em poucos passos, cadastro para receber mais informações e testes gratuitos estão entre elas, por exemplo.

Construa sua presença digital

Além do site, é importante construir uma presença digital sólida, principalmente com auxílio de redes sociais. No Brasil, somos usuários bastante engajados em redes sociais e as utilizamos para diferentes fins: informação, diversão, relacionamento e, inclusive, compras!

Lembre-se disso ao estruturar sua estratégia abrangendo como gerar leads na internet. E não se preocupe em estar em todos os canais disponíveis, existem redes sociais que fazem mais sentido para o seu público, garanta que ao menos nelas você tenha uma forte presença digital, com um perfil corporativo bem estruturado, postagens relevantes e frequência nas publicações.

Aposte em social selling

Além dos páginas e perfis corporativos em redes sociais, há outra oportunidade para geração de leads na internet por meio destes canais com estratégias de social selling (vendas sociais). Para o segmento B2B, o LinkedIn tem sido um importante meio de construir reputação profissional do empreendedor e dos líderes de vendas.

A estratégia de social selling prevê a utilização dos perfis dessas pessoas para impulsionar relacionamentos com outros profissionais que estejam dentro do perfil de potencial cliente, inclusive com abordagem comercial por esta mídia, levando a um agendamento de reunião ou ao envio de material informativo sobre a solução oferecida, por exemplo.

Invista em mídias digitais

Uma das formas mais efetivas para gerar leads na internet em curto prazo é este: criar e gerenciar campanhas em mídias digitais como Facebook Ads, LinkedIn Ads ou Google Ads. Para isso, entretanto, é necessário conhecimento atualizado e aprofundado sobre essas ferramentas de gerenciamento de campanhas digitais.

Boa parte da crença que alguns pequenos e médios empresários têm de que Marketing Digital não funciona está justamente associada a campanhas mal gerenciadas, que tornaram-se apenas despesa sem um retorno financeiro e comercial concreto. Por esta razão, tenha em seus planos contratar um profissional ou uma agência especializada em Marketing Digital.

Produza conteúdo

Para gerar leads na internet de forma contínua e sem precisar aumentar significativamente o orçamento das campanhas, a produção de conteúdo deve estar entre um dos elementos principais de sua estratégia. Aqui entram artigos para o blog, posts em redes sociais, infográficos, podcasts, webinars, vídeos, ebooks, manuais, guias… qualquer que seja o formato, quando desenvolvido com qualidade, o conteúdo será capaz de aproximar você de seu potencial cliente.

Produção de conteúdo, inclusive, está no centro das estratégias de SEO, de redes sociais e de Inbound Marketing. Ou seja, até dá para começar com uma produção mais tímida, porém, com o tempo, será preciso diversificar e ampliar a qualidade desses materiais para que ofereçam o suporte necessário para a sua estratégia.

Qualidade, inclusive, é um fator elementar: pense em seu prospect e no que ele gostaria de aprender ou sobre o que precisa de mais informações, assim como em que formato e com qual nível de aprofundamento. Caso contrário, existem chances de sua empresa construir um posicionamento frágil sobre si mesma.

Crie landing pages

As landing pages são as páginas criadas, principalmente, para captura de cadastros, seja pela divulgação de um material, seja para inscrição em um evento ou, até mesmo, para solicitação de mais informações comerciais de sua solução.

Essas páginas permitem uma taxa de conversão muito maior, pois evitam que o usuário seja perdido pela navegação entre páginas ou por não encontrar informações suficientes sobre o que estava buscando. Na medida em que iniciar as suas campanhas de mídia digital e a produção de seus conteúdos para download, tenha elas como parte de sua estratégia!

Mantenha réguas de relacionamento

As réguas de relacionamento com prospects, gerenciadas por meio de plataformas de automação de Marketing como o RD Station, da qual somos parceiros, permitem a otimização e a automação de suas interações por e-mail, a nutrição de potenciais compradores ao longo do tempo e a análise de dados sobre comportamento digital para a tomada de decisão.

Desta forma, a sua equipe comercial perde menos tempo em qualificação e follow up dos leads, assim como você consegue construir um relacionamento muito mais sólido com eles, aumentando as chances de se tornarem de fato clientes.

Envie campanhas de e-mail marketing

Por fim, não se esqueça do potencial das campanhas enviadas por e-mail marketing. Por mais que alguns acreditem que essa estratégia não surta mais efeito, de forma geral, as organizações têm colhido bons resultados por meio do envio de mensagens que comunicam ofertas especiais, lançamento de produtos ou algum benefício para a sua base de contatos.

Lembre-se, apenas, de manter as boas práticas no envio destes e-mails, segmentando apenas pessoas que se inscreveram em suas listas ou fazem parte de alguma base própria de contatos, como inscritos em um evento, visitantes de sua loja, ex-clientes, entre outros.

Do planejamento à mensuração

Para aproveitar todo o potencial de como gerar leads na internet, mais do que conhecer as ações, é importante ter uma estratégia que considere do planejamento das campanhas até a sua mensuração – com ações a serem tomadas com base nos dados obtidos.

Na nossa opinião, é isso o que torna as campanhas digitais efetivas, visualizá-las como estratégias completas muito mais do que como ações isoladas, que não podem não gerar conhecimento sobre o seu público e sobre a sua marca suficiente para que sejam feitos ajustes e otimizações – e, desta forma, colher sempre melhores resultados comerciais!

Não é de hoje que os influenciadores ocupam um papel de destaque no Marketing e na Publicidade. Há muitos anos, empresas e organizações buscam nomes que as ajudem a vender mais determinado produto ou serviço e a chegar em seu público potencial de forma certeira.
Com o tempo, porém, a influência tem migrado das grandes celebridades para aqueles que se consolidaram no ambiente virtual, com o compartilhamento de conteúdo em blogs, canais de YouTube e redes sociais.
Os influenciadores digitais, porém, apesar de serem excelentes embaixadores para as marcas, demandam uma estratégia muito bem pensada para trazer resultados reais.
Por este motivo, neste artigo vamos compartilhar os principais elementos que embasam as ações de relacionamento com influenciadores digitais que executamos nos projetos de nossos clientes na Fusão Online. Confira!

O que são influenciadores digitais?

Em primeiro lugar, achamos importante definir o que são influenciadores digitais, que também podem ser conhecidos por digital influencers, creators e criadores de conteúdo. Eles são pessoas que possuem um poder de influência sobre determinado público, podendo contribuir na decisão de compra de determinado produto ou serviço ou até mesmo na adoção de determinados comportamentos.

Os influenciadores digitais ocupam as mídias consideradas não tradicionais para disseminar suas mensagens e, ao contrário das celebridades que possuem uma imagem idealizada e distante junto ao público, eles são vistos como pessoas próximas, espontâneas e acessíveis.

Influenciadores e microinfluenciadores digitais

Quando falamos em ações de marketing para empresas de pequeno e médio porte, porém, já não são mais os grandes influenciadores que ocupam destaque como tendência a ser seguida – inclusive pelo alto custo de incluí-los em campanhas digitais.

Neste contexto, os microinfluenciadores têm se mostrado como escolha muito mais assertiva, tanto em termos de investimento quanto de retorno gerado. Com número menor de seguidores e, na maioria das vezes, voltados a um nicho específico de público e de conteúdo, esse perfil de influenciador digital é uma das maiores apostas para as marcas nos próximos anos.

As principais vantagens de se investir em microinfluenciadores está no engajamento e na proximidade que possuem junto aos seus seguidores, possibilitando uma taxa de conversão maior do que ao se focar em grandes nomes. Atualmente, mesmo as marcas de maior porte já começam a apostar nos microinfluenciadores, com a divisão de sua verba em vários nomes para melhores resultados.

Por que apostar em marketing de influência?

Mas, por que investir em microinfluenciadores se você é uma marca de pequeno ou médio porte? A partir de nossa experiência, mesmo estratégias de marketing com recursos limitados podem incluir este tipo de ação para ampliar resultados a partir de alguns benefícios principais:

  • Entender melhor seu perfil de público e contar com a experiência do microinfluenciador para trazer insights sobre o relacionamento com estas pessoas;
  • Co-produzir conteúdo relevante e autêntico, com um apelo muito menos institucional e que, portanto, gera mais engajamento;
  • Chegar ao público que não consome mídia tradicional – mesmo os anúncios digitais, que já são bloqueados por significativa parcela dos usuários;
  • Gerar reconhecimento de sua marca, com associação a um nome respeitado pelo seu público potencial;
  • Aumentar o tráfego de seu site ou blog e ampliar o número de seguidores em redes sociais;
  • Efetivamente gerar resultados de vendas ou de geração de leads para serem trabalhados a médio e longo prazo.

É claro, para chegar nessas vantagens ao trabalhar com microinfluenciadores é necessário primeiro desenhar uma campanha, com objetivos específicos a serem alcançados e definição clara sobre o que será feito. Apenas contratar o microinfluenciador e esperar que a mágica aconteça pode ser um tiro no pé.

Como encontrar microinfluenciadores relevantes para seu público?

Para colher bons resultados a partir de ações com influenciadores digitais e microinfluenciadores, um primeiro passo muito importante é encontrar a pessoa certa (ou as pessoas certas) para influenciar seu público em relação à sua marca, ao seu produto ou ao seu serviço.

Como você deve ter acompanhado, não foram poucos os escândalos envolvendo declarações polêmicas de influenciadores digitais recentemente. Por isso, antes de contratar qualquer ação, é preciso entender se aquele produtor de conteúdo realmente possui um perfil que combina com a sua empresa em termos de posicionamento e de comportamento.

Veja abaixo alguns caminhos para encontrar microinfluenciadores que podem contribuir para seus resultados de Marketing e Vendas:

  • Busca em redes sociais por temas associados ao seu negócio;
  • Pesquisa junto aos clientes atuais da sua empresa;
  • Utilização de ferramentas pagas como Airfluencers;
  • Contratação de uma agência para realização do mapeamento.

Em todos os casos, é importante levar em conta, ainda, alguns fatores para a escolha:

  1. Número de seguidores não é o mais importante, mas sim a conexão do microinfluenciador com o público;
  2. Alguns microinfluenciadores não estão dispostos a fazer parcerias com as marcas, por isso é bom filtrar algumas opções antes de bater o martelo;
  3. Como falamos anteriormente, olhar para o histórico é essencial, um trabalho que demanda algum tempo, mas que faz toda a diferença na prevenção de qualquer risco.

Contar com algum tipo de assessoria especializada também é importante, assim a sua empresa evita o risco de uma abordagem que possa ser mal interpretada, trazendo mais prejuízo do que benefício para a sua empresa.

Construção de relacionamento com microinfluenciadores

Falando em evitar riscos na contratação de microinfluenciadores para sua estratégia de marketing, a construção de relacionamento é um elemento fundamental, antes, durante e, principalmente, depois da ação realizada.

Microinfluenciadores não possuem, necessariamente, como motivação principal para ações com as marcas a remuneração que isso trará. Muitas vezes, envolver-se em uma causa e obter ganhos como maior número de seguidores, associação a uma marca de qualidade e mesmo obter benefícios como brindes e amostras pode ser suficiente. Porém, até ter certeza disso, é preciso conhecer os reais interesses dos escolhidos para associação com a sua empresa.

Existem, ainda, uma série de boas práticas a serem consideradas no relacionamento, inclusive algumas delas consolidadas no Código de Conduta produzido pela Abradi, a Associação Brasileira dos Agentes Digitais.

Mais uma vez, contar com um profissional ou com uma agência parceira para condução desse relacionamento pode ser um caminho que garanta melhores resultados e um relacionamento de longo prazo, independentemente do término da ação contratada.

Não se esqueça: monitorar o ROI é essencial

Por fim, como qualquer outra ação de Marketing realizada pela sua empresa, a contratação de influenciadores digitais ou de microinfluenciadores precisa trazer retorno do ponto de vista de Marketing e Vendas.

Mencionamos anteriormente que as ações com produtores de conteúdo devem fazer parte de uma estratégia concreta, com objetivos claros e ações definidas para chegar até eles. A partir de então, é necessário medir o retorno sobre o investimento – considerando, é claro, o motivo pelo qual realizou este aporte financeiro.

Se a sua ação visa a ampliar o reconhecimento de sua marca pelo público, por exemplo, avaliar o aumento de seguidores nas redes sociais e controlar o número de visitantes pelo Google Analytics por meio de links com tags é um caminho. Caso o objetivo, por outro lado, seja a consolidação de vendas ou a geração de leads, o impacto na receita deverá ser medido, inclusive em um período maior de tempo.

O importante é que não negligencie essa mensuração, levando em conta que, muito mais do que imagem, o relacionamento com microinfluenciadores e influenciadores deve também trazer resultados concretos!