Author: Fatima El Kadri

Quem nunca se divertiu respondendo a um teste online? Parece brincadeira, mas não é. Se você está buscando uma maneira mais rápida de atrair novos leads, criar um quiz pode ser uma boa ideia para compor a sua estratégia de marketing digital!
Por ser um jogo, essa é uma forma leve e divertida de interagir com a sua persona, obter informações relevantes sobre ela e, ainda, aumentar seu engajamento.
Reunimos neste post tudo o que precisa saber sobre como criar um quiz e incluí-lo em sua estratégia de marketing digital! Fique de olho nestas dicas!

O que é quiz e por que utilizá-lo para gerar leads

O quiz nada mais é do que um jogo de perguntas e respostas, onde o objetivo é revelar alguma coisa sobre o leitor.

Quem é da época pré-digital deve se lembrar que ele já era muito utilizado para atrair leitores nas revistas, por exemplo. 

Aplicada há tanto tempo, essa estratégia é efetiva porque mexe com a curiosidade das pessoas.  

Além disso, a gamificação é uma grande tendência e está presente em praticamente todas as ações de marketing digital, pois baseia-se na diversão para conquistar alguma recompensa.

E diversão, todo mundo quer! Saiba como criar um quiz e aumente o a visibilidade da sua marca online!

Conheça os tipos de quiz mais comuns

Há dois tipos de testes que fazem muito sucesso:

  • Personalidade: suas perguntas servem para revelar algum traço marcante da personalidade do respondente. Exemplo: Quem é você no relacionamento?
  • Conhecimento: como o nome já diz, são questões que avaliam seus conhecimentos sobre um determinado assunto: Exemplo: Você sabe tudo sobre os heróis da Marvel?

Etapas para criar um quiz

1. Escolha uma ferramenta

Já existem diversas ferramentas para você montar o seu questionário online e de graça. Aqui, vamos citar algumas: 

Survey Monkey

Neste site, você pode criar e publicar seu questionário com até 10 questões sem pagar nada, porém, a versão gratuita é bem limitada. A partir de R$ 68 mensais, você consegue fazer mais questões, customizar a página com a sua marca, compartilhar resultados com a equipe, notificações automáticas etc.

Google Forms

Atualmente, é uma das ferramentas mais populares e simples de usar, pois faz parte do conjunto de apps do Google, ou seja, é totalmente grátis! Para usá-lo, basta logar na sua conta, escolher um dos templates e montar seu teste!

Classmarker

O Classmarker é ideal para questionários de negócios ou educação. Ao cadastrar-se, você tem direito a 30 dias de teste gratuito. 

Os planos são a partir de US$ 39,95/mês ou você pode adquirir créditos para fazer pesquisas individuais a partir de US$ 25 (50 créditos).

Quizrur

Quer engajar diretamente com a sua audiência do Facebook? Use o app Quizrur! Lá, você pode criar testes de diferentes categorias, como “Certo e Errado”, “Personalidade”  “Sobre Mim” — útil para saber se os seus seguidores conhecem você ou sua empresa — ou “Lista”.  Só é necessário estar logado na rede social para acessar. 

Outgrow

É uma plataforma completa que tem várias ferramentas para melhorar seus resultados de marketing digital, entre elas o quiz, com layouts e questões prontas para serem adaptadas. Oferece 7 dias gratuitos para testar, com planos a partir de US$ 11 por mês.

WP Viral Quiz

Para quem já tem um blog no WordPress, esta é a melhor opção, pois você pode montar o seu quiz dentro da própria plataforma e publicá-lo diretamente na sua página. É só procurar o plugin e instalar. 

Definida a plataforma, agora só falta criar o conteúdo certo para o seu quiz! Você vai precisar de algumas técnicas e muita criatividade! Confira as instruções a seguir:

2. Defina o que você precisa saber do seu lead

Para criar um bom quiz de marketing, é preciso retomar as características da persona e descobrir qual seria sua principal dúvida ou problema, pois é isso que vai tornar o teste interessante para ela.

3. Crie um título impactante para o seu quiz

Assim como em qualquer conteúdo, o título precisa ser chamativo para conquistar o público. Lembre-se que esta é a primeira coisa que ele vê ao acessar uma página. 

O objetivo é convencê-lo de que aquele quiz realmente trará uma resposta que ele precisa.

Aqui, devemos usar gatilhos mentais para dar ênfase à necessidade, urgência ou desafio. Veja um exemplo: 

“Será que você realmente está preparado para trabalhar em equipe? Faça o teste e descubra!”

Perceba que as palavras “será” e “realmente” colocam em dúvida uma capacidade do leitor, despertando a necessidade de descobrir se ele a possui.

Mas é bom lembrar que linguagem e o tom vão depender muito do objetivo do teste.

4. Formule boas perguntas

Um bom quiz se faz com boas perguntas, então, a dica é não economizar na pesquisa para elaborá-lo. 

É difícil definir o que seria uma boa pergunta, já que depende muito do tema abordado, no entanto, vale a pena seguir algumas regrinhas:

  • Tom mais pessoal – adote uma linguagem simples e objetiva, que “converse” e crie proximidade com a pessoa que está respondendo.
  • Não faça perguntas longas demais – isso cansa e faz o leitor desistir de responder ao seu questionário.
  • Seja didático – explique o que a pessoa deve fazer a cada etapa. Se houver dúvidas ou dificuldades de navegação, é bem provável que ela não chegue até a questão final.

5. Utilize imagens para enriquecer o conteúdo

Você já sabe que imagens ou vídeos ajudam a capturar a atenção dos visitantes em um post de blog. E no jogo de perguntas e respostas não é diferente!

Portanto, escolha imagens atraentes relacionadas ao assunto geral do quiz ou a cada pergunta. Este é um instrumento importante para conduzir o lead ao final do teste.

6. Guie seu lead para a conversão

E por falar em conduzir, outro fator relevante é a ordem das questões. Fique atento, porque elas precisam ter uma sequência lógica para não “espantar” o leitor. A ordem recomendada é a seguinte:

  • Demográficas: nome, faixa etária, escolaridade etc. Não exagere nas perguntas desse tipo, elas são apenas para que você saiba quem é o seu lead. 
  • Comportamentais: use-as para desvendar gostos, hábitos e preferências. São informações que podem gerar novas oportunidades de negócio.
  • Opinião: são perguntas objetivas de múltipla escolha: pergunte o que ele sabe sobre o assunto e dê alternativas, sendo apenas uma delas a correta.
  • Classificação: utilize uma escala de 0 a 10 para qualificar algo.

Procure diversificar e agrupar as questões de acordo com a descrição acima. 

Dessa maneira, as perguntas mais fáceis de responder aparecem no início e as mais complexas no final, quando a pessoa já respondeu quase tudo e as chances de abandonar o teste são menores. 

Ah, e solicite o e-mail somente depois da última resposta, como condição para enviar os resultados. Depois de ter chegado até ali, o usuário vai querer saber o que o teste diz sobre ele.

6. Não esqueça os textos dos resultados

Após elaborar as perguntas, você deve pensar nos resultados. Geralmente, são 3 variações para cada teste. 


Vamos ver alguns possíveis resultados para aquele exemplo dado anteriormente, sobre a capacidade de trabalho em equipe.

  • Você é um profissional individualista e deve aprimorar sua capacidade de trabalhar em equipe, pois, assim, terá mais oportunidades de crescimento profissional.
  • Você trabalha bem em grupo, mas não aceita ser contrariado. Aprenda a lidar com a diversidade de opiniões para melhorar seu desempenho.
  • Parabéns! Você é um profissional capacitado para trabalhar em grupo, sabendo lidar com a diversidade de opiniões, fornecendo feedbacks construtivos e levando a equipe a obter melhores resultados.

7. Realize testes antes do lançamento 

As questões já estão prontas e devidamente organizadas, mas ainda falta um passo essencial para colocar o quiz no ar. Os testes! 

Afinal, é preciso verificar se o seu questionário está cumprindo os objetivos. Ele está respondendo à pergunta inicial? Os resultados que você criou são pertinentes? O tempo de resposta está longo demais? 

Peça aos seus colegas para responder o quiz como se fossem usuários reais e faça as correções necessárias — sempre há ajustes que podem trazer melhores resultados.

8. Utilize ferramentas para conversão e automação de e-mail no quiz

Quem responde ao quiz deseja receber os resultados o quanto antes. Esse é um ponto crítico da estratégia, pois, se houver falhas, o visitante não confiará na sua empresa novamente. 

Por isso, é recomendável investir numa ferramenta de automação de e-mail. Funciona como uma landing page. Integrada à página, quando o usuário clicar no botão de enviar respostas, o e-mail será disparado automaticamente.

O Zapier é uma ferramenta que faz essa integração entre a sua página e a ferramenta de e-mail marketing, e possui um plano free.

9. Divulgue seu quiz

Trabalhar na divulgação é fundamental para aumentar o número de respostas ao quiz! 

Todas as redes sociais são um ambiente propício a este conteúdo.

Dependendo do seu segmento e do tipo de questionário, ele pode viralizar rapidamente, aumentando seu nível de engajamento e as possibilidades de conversão. 

É claro que alguns temas terão melhor visibilidade em algumas redes do que em outras, mas com certeza, se bem executada, essa “brincadeira” pode alavancar a imagem da sua empresa e gerar ótimas oportunidades de negócio!

Sem ideias para criar um quiz de sucesso? Converse com a equipe da Fusão Online e tenha um conteúdo personalizado para sua empresa!

Em uma estratégia de Marketing Digital, ter um blog com atualizações frequentes e criar conteúdo relevante para sua persona é muito importante, mas não é tudo.
Depois disso, vem a etapa mais crítica para o sucesso do projeto, que é medir os resultados do seu blog.
Mas afinal, você sabe por que e como se deve mensurar os resultados de um blog? Siga a leitura para saber mais sobre a análise desta ferramenta!

Por que medir os resultados do seu blog é importante?

Ao mensurar os resultados, é possível saber se suas ações de marketing de conteúdo estão alcançando os resultados desejados ou não — e o que é preciso fazer para chegar lá.

Pode parecer complicado no início, mas não é nenhum bicho de sete-cabeças. Se você ainda não sabe quais são as métricas mais importantes em um blog e como avaliá-las, continue a leitura e descubra!

No final do texto, indicaremos algumas ferramentas incríveis onde você poderá medir os resultados do seu blog automaticamente.

Mas atenção: para mensurar, é preciso ter metas claras

Afinal, é impossível chegar a qualquer lugar sem saber aonde se quer chegar. Para facilitar a concepção de metas, foi criado o método Smart. A sigla, que em inglês quer dizer “esperto”, nos fala sobre as características de uma boa meta. Veja: 

S =Specific (Específica)

M = Measurable (Mensurável)

A = Achievable (alcançável)

R = Relevant (Relevante)

T = Tangible (Tangível) 

Isso significa que, para avaliar resultados, você precisa ter muito claro qual o seu objetivo com o blog, e o tamanho da audiência que pretende alcançar.

Deve também analisar se essa meta é possível, relevante, e, sobretudo, qual o impacto que ela deve trazer aos seus negócios.

Agora que você já sabe como criar metas mais efetivas, vamos ao assunto principal: quais as informações mais importantes para medir os resultados do seu blog?

Métricas de um blog

Existem alguns indicadores quantitativos e qualitativos que facilitam bastante a mensuração de resultados de um blog, conforme explicamos abaixo:

Quantidade total de posts

Ainda na fase de planejamento, você deve estabelecer um número de publicações em um determinado período (mensal ou semanal), logo, é necessário saber se a meta foi cumprida, se deve aumentar ou diminuir. 

Quantidade de posts por assunto

Separar os posts por categorias é essencial para uma boa gestão de conteúdo em um blog, assim como saber quantos textos foram produzidos em cada uma delas  — e quais são as categorias mais visitadas.

Com isso, você terá um panorama de quais assuntos mais agradam a sua persona, podendo reforçar o conteúdo desses temas e repensar os demais.

Guest Posts

Tem quem goste de escrever ou encomendar seus próprios posts e há aqueles que possuem um “time” de blogueiros especialistas para falar sobre assuntos que demandam maior autoridade, estratégia conhecida como guest post. 

No entanto, convidar profissionais para fornecer conteúdo exige um cuidado especial, pois é preciso ter certeza de que são pessoas que realmente dominam o tema. 

Então, caso você opte por esse formato, tenha o hábito de verificar quais dos seus convidados trazem maior número de visitantes e engajamento à sua página.

Visualizações de página

Mostra quantas vezes uma página foi acessada ou um texto foi lido. É importante lembrar que cada página do site tem um resultado diferente, pois cada uma é um link.

Também é muito comum confundir os conceitos de visitas, visitantes e visualizações de página. Saiba quais são as diferenças entre eles:

Número de Visitantes (Visitantes únicos): Essa métrica diz quantas pessoas visitaram o site, sem considerar  a quantidade de acessos. 

Número de visitas: revela quantos acessos a página teve, sem considerar a quantidade de pessoas, já que o mesmo usuário pode acessar um site várias vezes no mesmo período.

Visualizações de página (Pageviews): demonstra quantas páginas do seu site foram visualizadas. Sua avaliação, em conjunto com a média de quantas páginas são acessadas por visita, pode sinalizar taxa de rejeição ou aceitação do blog, a qual veremos mais adiante.

Fazendo o acompanhamento periódico desses dados, é possível saber se o número de visitas está crescendo e implementar ações de melhoria, se necessário.

Desempenho dos posts nas redes sociais

Hoje em dia, todo mundo está nas redes sociais, por isso, é importante utilizá-las para ampliar o alcance das publicações do seu blog, o que pode gerar mais conhecimento sobre a sua marca e aumento nas vendas.

Todo conteúdo publicado deve ser compartilhado no Facebook, Twitter, Instagram e outras redes que a empresa tiver, sempre observando as diferenças de formato e linguagem de cada uma. Assim, você tem mais possibilidades de atrair novos clientes ao seu site.

Origem do tráfego

Complementando o item anterior, para ter uma presença forte nas redes, é preciso saber quais canais geram mais visitas à sua página. O tráfego pode ser gerado da seguinte forma:

  • Busca orgânica: é quando o visitante acessa seu site a partir de uma ferramenta de busca. 
  • Rede social: descubra se as pessoas estão acessando seu blog por meio das redes e saiba se você está aproveitando ao máximo o potencial delas para atrair leitores e consumidores.
  • Referência: quer uma prova de que seu blog está dando certo? Analise se seus conteúdos estão sendo citados pelos concorrentes por meio de backlinks. Afinal, um bom marketing de conteúdo é aquele que transforma sua empresa em uma referência no mercado. 
  • E-mail: Use o e-mail marketing para promover os posts do blog, pois seu lead precisa de informações úteis, e não apenas promoções.
  • Acesso direto: acontece quando o consumidor já conhece seu site e o acessa diretamente, digitando o endereço no navegador.

Número de assinantes do feed

O feed de notícias permite que os usuários recebam as atualizações automaticamente e também ajuda a avaliar a fidelidade da sua audiência.

Pois, quando uma pessoa se inscreve no feed, demonstra interesse em receber novidades da sua empresa.

Além disso, com ele é possível otimizar a jornada de compra, fazendo com que o consumidor conheça sua oferta mais rapidamente.

Bounce Rate 

O bounce rate representa a taxa de rejeição, que ocorre quando um visitante não permanece muito tempo no site ou não continua a navegação para a página seguinte.

Quando esse índice é muito alto, é um sinal de que o conteúdo não está agradando, então é hora de rever a estratégia.

Taxa de conversão 

A conversão é considerada quando o seu visitante ou cliente realiza alguma ação dentro do seu site, influenciado pelo conteúdo.

Ou seja, quantos usuários fizeram o download do e-book sugerido em um artigo; ou até mesmo adquiriram um produto ou serviço por meio do blog. Ter uma taxa de conversão alta é o maior objetivo de toda ação de marketing digital.

Saber quais os canais onde há melhor desempenho é determinante para obter melhores resultados com o marketing digital!

Ferramentas para mensuração de resultados do seu blog

As plataformas de conteúdo mais utilizadas, como WordPress, apresentam dados como o número de acessos e visualizações, entre outros, sem nenhum ônus para o usuário.

Mas existem outros mecanismos para analisar os resultados do seu blog de forma mais aprofundada, economizando seu tempo e dinheiro!

Conheça quatro deles:

1. Google Analytics

O Google Analytics contém todas as métricas do site, possibilitando a análise por período ou até mesmo em tempo real.

É possível, saber, por exemplo, quantos visitantes ele teve e o que eles acessaram; como foi o comportamento dos usuários na página, quais os conteúdos mais acessados, entre outros aspectos.

Vale lembrar que ferramenta é gratuita, mas para utilizá-la, você precisa ter uma conta de anúncios no Google.

2. Automação de conteúdo 

A programação de postagens é o segredo para executar as atividades com maior eficiência e analisar o seu impacto rapidamente.

Você também pode criar um funil de vendas e trabalhar com várias plataformas ao mesmo tempo. 

Aqui na Fusão Online, utilizamos a RD Station

3. Facebook Audience Insights

Para saber como os conteúdos do seu blog estão sendo recebidos no Facebook ou Instagram, acesse o Facebook Audience Insights.

A página fornece dados sobre o público da sua fanpage, conteúdos mais clicados e muito mais! 

4. OpSocial

O OpSocial reúne dados de vários locais, e ainda é capaz de buscar as melhores palavras-chave, aprimorando o seu SEO.

Avaliar o impacto das iniciativas de marketing online não é, nem de longe, uma tarefa simples. Exige muito empenho e uma equipe que tenha domínio do universo digital, a fim de direcionar o visitante à conversão.

Mas, com as ferramentas adequadas e criatividade, você poderá tomar melhores decisões e aprimorar o seu marketing de conteúdo!

Quer saber mais sobre como medir os resultados do seu blog e dar mais autoridade ao seu empreendimento na internet? Converse conosco!

O mundo digital oferece muitas possibilidades para divulgar sua marca ou produto.
Independente da plataforma utilizada, é possível trabalhar com texto, imagens, áudio e vídeo, tudo ao mesmo tempo.
Mas usar todos esses formatos já não é suficiente.
O segredo para levar o nome da sua empresa mais longe é aproveitar os recursos que a tecnologia oferece para interagir em tempo real com a sua audiência.
É por isso que o webinar é, uma ferramenta muito eficaz para atrair potenciais clientes e oportunidades de venda!
Se você ainda não sabe como fazer um webinar, leia este conteúdo especial que preparamos sobre o tema!

O que é Webinar? 

O termo Webinar tem origem do inglês Web Seminar (Seminário feito pela internet). Ou seja, é uma videoconferência realizada para apresentar um produto ou um conteúdo educacional por meio de uma plataforma online. 

Não faz muito tempo que as organizações descobriram as vantagens de produzir um evento na internet em relação a um seminário presencial, tais como a possibilidade de alcançar um público ilimitado e logística/custos muito reduzidos (ou até zero). 

Mas os benefícios não param por aí. Veja a seguir.

Por que fazer webinars é uma boa estratégia?

O consumo de conteúdo audiovisual na internet já é muito grande, e a tendência é que ele cresça ainda mais nos próximos anos. 

De acordo com dados divulgados por pesquisa da empresa de tecnologia Cisco, até o ano de 2022 o conteúdo audiovisual será responsável por mais de 80 % de todo o tráfego da internet. 

Isso prova a relevância do vídeo em comparação aos demais formatos.

Já o Content Marketing Institiute, órgão dedicado aos estudos sobre marketing de conteúdo, constatou que 2/3 das empresas B2B dos EUA utilizam o webinar para aumentar suas conversões e 66% delas o consideram uma estratégia efetiva.

Isso acontece porque, como dissemos logo no início, um vídeo é mais atrativo do que um texto ou foto, que não oferece muitas possbilidades de interação.

Veja só os resultados positivos que um webinar pode trazer para você:

Gerar engajamento e tráfego

Poder ver e se comunicar com quem está do outro lado da tela aumenta a proximidade entre o empreendedor e seu público-alvo. 

Além disso, o webinar movimenta as redes sociais da empresa, gerando mais curtidas, comentários e visitas ao seu perfil.

Aumentar a autoridade da marca

A credibilidade de uma empresa está no conhecimento que ela transmite sobre o seu produto ou serviço. 

Sendo assim, não há nada melhor do que uma apresentação em vídeo para demonstrar que você entende do assunto e convencer o consumidor de que seu produto é uma boa escolha.

Facilita a conversão 

O webinar é uma oportunidade única para se comunicar diretamente com seu público, passando informações relevantes e esclarecendo dúvidas. 

Dessa maneira, você dá mais segurança para que ele possa conhecer melhor a sua oferta ou até efetuar a compra imediatamente.  

Agora que você já conhece todos os benefícios de produzir um webinar, vamos à prática. Como estruturar o seu conteúdo e colocá-lo no ar? 

Como criar um webinar?

É a mesma coisa que organizar um evento, só que online. São muitos os detalhes que devem ser considerados para a apresentação, o que significa que a ação precisa ser planejada com certa antecedência. 

Mas não se preocupe, porque vamos dar um passo a passo completo para você criar o seu!

1. Determine o tema

Ao decidir montar um evento online, você já deve ter bem claros os objetivos da apresentação e o que será abordado, pois esta será a base para todas as outras decisões que você irá tomar. 

O assunto deve ser escolhido de acordo com as prioridades do seu negócio, mas também levar em conta os interesses da sua persona, caso contrário, todo o seu esforço pode ser em vão.

2. Escolha a plataforma

Hoje, existem diversas ferramentas que possibilitam estruturar e transmitir o seu webinar de uma forma muito simples, até mesmo integradas às redes sociais. 

Ou seja, você pode fazer um vídeo ao vivo, dentro da fanpage da sua empresa, engajando a audiência que já curte sua página e atraindo mais pessoas para ela.

 Vamos falar sobre como usufruir desse recurso mais adiante.

3. Defina uma data

Ter a data logo no início é essencial para que o seu planejamento dê certo, pois, assim, é possível estabelecer prazos para cada etapa de preparação. 

Aliás, essa é uma regra que vale para qualquer projeto.

4. Escreva o roteiro 

Depois de definir data e prazos, não esqueça de colocar suas ideias no papel. 

Você provavelmente já sabe o que precisa dizer, mas é importante dividir o conteúdo em blocos e estabelecer a sequência mais adequada. 

Além disso, numa apresentação ao vivo, não dá para confiar totalmente na memória, por isso anote tudo e previna-se contra o famoso “branco”.

Em relação à linguagem, é muito importante conhecer e saber como utilizar os famosos gatilhos mentais, para convencer seu lead a realizar a ação que você deseja — a conversão!

5. Crie uma landing page

O seu evento vai precisar de uma página exclusiva para divulgação. Nela, você publicará informações como: 

  • Tema do webinar (headline)
  • Objetivos
  • O que o lead irá aprender
  • Data e hora
  • Formulário para inscrição (captura do lead)

Para saber mais como criar uma landing page atrativa, leia este artigo.

6. Defina alguém para ser o apresentador principal

Algumas pessoas possuem mais facilidade para falar em público do que outras. Se este é o seu caso, ótimo!  

Se não, opte por profissionais que tenham mais desenvoltura diante das câmeras e que possam representar bem a sua marca, criando uma identificação com sua audiência..

Em muitos casos, a apresentação pode ser dividida entre duas pessoas.

7. Vá além da imagem do apresentador

O tempo para a transmissão de um webinar é de pelo menos uma hora.

Durante esse período, sua missão é prender a atenção do espectador — o que não é uma tarefa muito fácil, tendo em vista as distrações disponíveis fora da tela. 

Por isso, você precisa lançar mão de outros recursos visuais para enriquecer seu conteúdo. 

Valem PPTs, prints de tela, dados de pesquisa ou o que a sua criatividade e o tema permitirem.

8. Faça todos os testes necessários

Uma boa preparação é fundamental para o sucesso do seu evento! Portanto, o ideal é que você comece a ensaiar alguns dias antes. 

Também é necessário prestar muita atenção ao funcionamento das ferramentas tecnológicas, já que a transmissão dependerá exclusivamente delas.

Por isso, verifique com antecedência  a velocidade da sua rede e os equipamentos a serem utilizados. Assim, você evita as surpresas desagradáveis na hora de ir ao ar.

9. Tenha uma equipe de apoio

Com tantas tarefas, é praticamente impossível fazer tudo sozinho. Então, a solução é contratar pessoas capacitadas para ajudá-lo, principalmente na parte técnica. 

Se desejar, também pode ter um copywriter para criar um roteiro mais assertivo, e, ainda, pessoas para acompanhá-lo durante a apresentação, lendo e respondendo as perguntas da “plateia” virtual, por exemplo. 

Como fazer um webinar dentro das suas redes sociais – Facebook e Instagram

Desde 2016, o Facebook possui a funcionalidade de transmissão ao vivo, para que os usuários consigam transmitir vídeos em tempo real, diretamente do seu perfil pessoal ou fanpage. 

Pouco tempo depois, a mesma função foi liberada no Instagram, que ficou conhecida como Facebook e Instagram Live. 

Você sabia que é possível transmitir o seu webinar de forma simultânea nessas plataformas?

Pois chegou a hora de você aprender como fazer isso e aumentar muito o engajamento nas suas redes sociais! 

1. Use um computador

Para fazer as lives em mais de uma plataforma ao mesmo tempo, você precisa usar um computador e baixar o OBS Studio, um software gratuito que roda em qualquer sistema operacional. 

O OBS funciona como uma apresentação em slides, onde você define o que aparece nas telas (denominadas Cenas).

Logo na primeira tela, você verá o menu de configurações: 

No Ponto 1: Dispositivo – selecione a sua webcam principal (pode ser interna ou externa). 

No Ponto 2: Predefinição – defina a resolução da câmera. A recomendável é 1280×720.

Clicar em Ok. 

Para posicionar ou redimensionar a sua imagem, clique e arraste a imagem da sua câmera para qualquer área da tela e nos cantos para aumentar ou diminuir o tamanho.

2. Configurando a transmissão simultânea

O software que permite transmissões em vários canais ao mesmo tempo é o Ciclano. Então, vamos precisar dos dois programas. 

A boa notícia é que o Ciclano não precisa de instalação, porém, possui uma assinatura mensal de R$ 87.

Além disso, a ferramenta oferece tutorial completo para você aprender a utilizá-la. 

3. Acessando o Ciclano

Feito o login e senha, você terá acesso o painel principal:

Ali, já pode adicionar as redes sociais onde você deseja que o webinar seja transmitido. 

O Facebook terá a opção de transmitir tanto na linha do tempo do seu perfil pessoal quanto nas páginas que você administra.

Já no Instagram, só é preciso fazer login nas contas onde quer que o seu vídeo apareça.

Na última tela, você configura um título e descrição que vai aparecer em todos os canais.

4. Realizando a transmissão simultânea

Na home do Ciclano, clique no botão habilitar transmissão. Com isso, a ferramenta já estará ativa em suas redes, mostrando uma “tela preta”. 

Então, vão aparecer 4 códigos para copiar e colar no outro sistema, o OBS, pois é dessa forma que eles vão se conectar.  

Voltando ao OBS, acesse o menu: 

Configurações > Stream > Serviços de Stream Personalizado > Utilizar autenticação

Depois disso, basta clicar em OK e iniciar transmissão. 

E pronto! Você já estará ao vivo em suas redes sociais!

Quando terminar, basta clicar em Parar Transmissão no OBS e no botão vermelho no Ciclano.

Como você viu, o webinar é uma ferramenta poderosa para atração e conversão de clientes, e você deve utilizá-la sempre que possível para divulgar seus produtos e serviços. 

No entanto, para ter bons resultados, é preciso planejamento e foco. Por isso não deixe de contar com o suporte de profissionais especializados, que saberão como aplicar essa estratégia para alavancar os resultados do seu negócio! 

A landing page (ou página de aterrissagem) é um recurso bastante utilizado para promover uma determinada oferta online.
Por meio dela, você atrai mais consumidores para conhecerem os seus serviços e pode ter altas taxas de conversão!
Se você ainda não sabe como criar landing pages, neste post apresentamos um guia completo com os itens obrigatórios e mais 4 ferramentas para fazer páginas que convertem de uma forma bem simples! Acompanhe os próximos tópicos e prepare-se para montar a sua!

O que não pode faltar numa landing page 

1. Título atrativo

O título (ou headline) deve demonstrar claramente o benefício da sua oferta, pois essa é a primeira coisa — e, talvez, a única — que o visitante irá ver em sua landing page. 

Portanto, o leitor deve saber o que ele ganhará já na primeira frase do texto, do contrário, ele não continuará a leitura.

Para se ter uma ideia da importância deste item, segundo uma pesquisa realizada pelo site Copyblogger, especializado em copywriting, de cada 10 pessoas que acessam uma página na web, 8 lêem somente o título.

O que significa que se você não trabalhar muito bem o seu headline, todo o seu conteúdo será perdido. 

Confira algumas dicas para criar títulos mais efetivos:

  • Objetividade e concisão: como já foi dito, um bom título deve deixar claro o que você está oferecendo e os benefícios que sua persona terá ao aceitar.

Além disso, ele tem de ser curto — até 60 caracteres, para que apareça completo nas páginas de busca.

  • Crie a sensação de urgência ou escassez

Expressões como : “veja agora”, disponível por tempo limitado”, “oportunidade imperdível”, entre outras, devem ser utilizadas para despertar a urgência ou necessidade de saber mais sobre o assunto. 

  • Demonstre a utilidade do que você está apresentando

Para isso, pense no maior problema da sua persona e como seu produto pode ajudá-lo a resolver.

Essas são algumas dicas para criar títulos mais atraentes. Mas não se preocupe em fechá-lo antes de escrever todo o conteúdo, pois ele será a base para um bom headline.

Então, vamos saber agora como construir o texto perfeito para sua página de vendas.

2. Corpo do texto

Todas as características que falamos acima também devem ser aplicadas ao longo do seu conteúdo, já que você precisa prender a atenção do leitor até a última frase.

Porém, a landing page possui uma estrutura própria, que deve ser seguida:  

  • Descrição da oferta

É  preciso descrever muito bem o produto e a sua proposta de valor, destacando os pontos mais importantes, eliminando as principais dúvidas e dizendo o que o consumidor pode esperar ao adquirí-lo.

Preste muita atenção ao tamanho do texto e à extensão das frases, que devem ser curtas, pois o leitor precisa ser capaz de compreender a sua ideia em poucos minutos. Para isso, utilizamos alguns truques: 

  • Itens em tópicos (bullet points);
  • Destaque de alguns dos benefícios mais importantes (limite-se a cinco, no máximo);
  • Aplicação de recursos gráficos, como o negrito, para ressaltar as palavras-chave da sua oferta.
  • Não se prenda muito às informações técnicas de um produto, mas sim ao que ele pode fazer pelo comprador. Lembre-se que o foco são os benefícios, não as funcionalidades.
  • Não utilize hiperlinks ou menus, pois eles colaboram para desviar a atenção do visitante e acabam impedindo que ele chegue ao objetivo final, que é a conversão.

3. Formulário

O formulário  de captura é um dos elementos principais de uma landing page, já que é por meio dele que você vai solicitar as informações de contato da pessoa, para que ela se torne um lead e entre em  seu funil de vendas.

É a partir daí que a mágica da conversão acontece!

Ao montá-lo, atente-se à quantidade e ao tipo de informações solicitadas, para não provocar o efeito inverso e afugentar o seu lead. 

Peça apenas os dados que forem necessários para o cadastro em sua lista de e-mail ou na base de clientes (geralmente, o e-mail e um telefone já são suficientes).

4. Conteúdos visuais 

Vídeos e imagens ajudam a enriquecer sua página de vendas, fazendo com que o leitor assimile as informações mais rapidamente e guiando-o ao call-to-action, que é a última etapa antes da conversão. Portanto, não deixe de usá-los para demonstrar as vantagens da sua oferta.

Outros recursos que costumam dar resultado são setas e caixas de texto, que direcionam o olhar para o que precisa ser visto e destacam os trechos mais relevantes.

5. Provas sociais 

São depoimentos de pessoas que já compraram o produto ou serviço. Elas servem para fortalecer os argumentos do empreendedor e comprovar que o que ele está dizendo é verdade.

Esta é a melhor arma de persuasão que você pode ter, porque quanto mais pessoas disserem que o seu produto realmente cumpre o que promete, maiores as chances de você ganhar novos clientes! 

6. Call-to-action (CTA)

Chegamos ao ponto crucial. Se o visitante visualizou o call-to-action, pode acreditar que ele se interessou pelo que viu. 

A esta altura, falta apenas um clique para que ele se torne seu lead ou cliente! 

Assim como a primeira, a última frase que será lida antes da conversão deve priorizar a objetividade, o senso de urgência, os benefícios e a necessidade.

E deve ter, também, um botão, que nada mais é do que uma caixa de texto onde o cliente vai clicar. Já a mensagem do CTA deve ser explícita, indicando exatamente o que o lead deve fazer.

Veja alguns exemplos. 

  • Quero adquirir agora o produto x 
  • Baixe gratuitamente nosso e-book exclusivo e saiba como obter melhores resultados em marketing digital!
  • Esta promoção é por tempo limitado! Faltam apenas X horas para acabar (com um relógio para contagem regressiva, que aciona o gatilho da emergência).

7. Página de agradecimento

A página de agradecimento é o que vem depois do preenchimento e do envio de um formulário. 

O objetivo, como o próprio nome diz, é agradecer ao lead pela ação realizada, passar informações sobre o recebimento do produto ou de como os seus dados serão utilizados pela sua empresa. 

Além disso, você também pode aproveitar esse espaço para apresentar outras ofertas e direcionar o cliente a uma nova conversão.

Design da landing page

Pense que todos os itens devem ser reunidos em uma única página. Parece muita informação para pouco espaço, e é por isso que o design merece uma atenção especial. 

Conheça algumas maneiras de deixar seu conteúdo mais organizado e atraente.

  • Divida-o em blocos

 É possível criar áreas específicas para cada tipo de conteúdo. Texto, imagens, depoimentos, formulário etc.

  • Use as cores 

É comprovado que elas possuem grande influência na psicologia humana, especialmente no que se refere às atitudes de compra. 

Se você já tem uma identidade visual para sua empresa, a ideia é seguir a mesma paleta de cores. 

Mas, na área do CTA, é permitido ousar um pouco mais: aposte em tons fortes para dar destaque à ação. 

Por exemplo: se você está usando um fundo branco em sua página, convém colocar o vermelho no botão do CTA, pois a intenção é que ele ganhe contraste em relação aos demais elementos.

O tamanho é outro aspecto importante: não pode ser muito pequeno, nem grande demais.

Faça você mesmo: saiba como criar landing pages em poucos minutos!

Agora que você já conhece toda a estrutura de uma landing page, é hora de botar isso em prática. Selecionamos 4 sites onde você pode hospedar e montar a sua de forma fácil, rápida e com um visual profissional, mesmo não tendo nenhum conhecimento em programação. Vamos ver?

4 ferramentas práticas e rápidas para criar a sua landing page

1. Instapage

Com um editor drag-and-drop (arraste e solte), qualquer um pode montar uma página no Instapage, basta escolher o modelo e ir posicionando os elementos.

São mais de 70 variações customizáveis, separadas por categorias de acordo com o objetivo da landing page, como venda final ou geração de leads. Outra vantagem é a integração com o Google Analytics — imprescindível para avaliar os resultados. 

A ferramenta oferece 14 dias de teste gratuito. Após esse período, o plano mais básico custa $ 99/mês.

2. Unbounce

Este criador de sites tem o mesmo esquema do Instapage, com drag and drop e customização. Além disso, conta com um design responsivo, ou seja, adaptável a todos os dispositivos, possibilidade de realizar testes A/B, entre outros recursos.

Também oferece apenas 14 dias de teste gratuito, com planos a partir de $ 79 mensais. 

3. Launchrock

Caso você realmente não tenha grana para investir no momento, o LaunchRock é totalmente grátis, com integração com o Google Analytics e redes sociais (recursos vistos apenas nas plataformas pagas). 

E se você quiser customização de domínio, o plano profissional  sai por apenas $ 5 por mês.

A desvantagem, no entanto, é que ele exige algum conhecimento de programação.

4. I’m Creator

O I’m Creator é a opção mais completa entre as gratuitas, pois apresenta uma enorme variedade de templates prontos para usar, separados por categorias. Assim, é só selecionar o mais adequado ao seu negócio! 

Além disso, disponibiliza hospedagem ilimitada, domínio próprio, plataforma para e-commerce, design responsivo, otimização para SEO e muito mais. 

Agora é com você! Analise bem as alternativas e escolha a melhor para construir o seu site! Lembrando que, por mais que pareça fácil, criar uma página de vendas demanda algum tempo e conhecimento técnico.

Então, se você quer ter uma landing page que realmente traga resultados para sua empresa, entre em contato com a Fusão Online! Temos profissionais especializados em criar páginas para atração e conversão de novos clientes.

Hoje em dia, o consumidor pode até não comprar todos os produtos online, mas, com certeza, é na internet que ele busca informações sobre preço, vantagens, características etc, antes de tomar uma decisão de compra.
Por isso, as empresas precisam ter canais online, onde é possível alcançar exatamente o seu público-alvo e atraí-lo para conhecer o seu negócio.
Mas como fazer isso de forma eficiente? Produzindo um conteúdo relevante que ajude a solucionar os problemas dos seus potenciais clientes!
Por isso, neste artigo, abordaremos  algumas estratégias de produção de conteúdo, que, além de atrair, vão te ajudar a fidelizar clientes online!

Por que o marketing de conteúdo é bom para o seu negócio?

O objetivo do marketing de conteúdo (ou Inbound Marketing) é estabelecer um relacionamento com o consumidor antes mesmo que ele adquira um produto.

Isso fortalece a imagem da empresa, facilitando o processo de compra. 

Portanto, você deve oferecer informações de qualidade para que o visitante do seu site reconheça seu problema e saiba como o seu produto ou serviço pode ajudá-lo.

Assim, a pessoa que está em busca das informações que a sua empresa publica, entrará na jornada de compra, a qual vamos detalhar mais adiante.

E também porque esta é a única forma de seu site aparecer nos mecanismos de busca.

Acontece que, com a multiplicação das plataformas digitais, a produção de conteúdo está se tornando uma atividade cada vez mais complexa.

Mas com a estratégia correta, você pode produzir um conteúdo mais relevante e alcançar os seus objetivos de negócio! Saiba como!

Como desenvolver o conteúdo certo para sua empresa?

1. Descubra quem é a sua persona

 A persona é um personagem fictício; ou seja, uma representação do seu cliente ideal, e definí-la é a etapa mais importante da sua estratégia de conteúdo.

Afinal, é com base nas características da sua persona que você entenderá que tipo de conteúdo é mais adequado para o site da sua empresa.

Para isso, é preciso fazer uma pesquisa aprofundada, que deverá incluir informações como: 

  • Nome (fictício)
  • Idade aproximada
  • Ocupação
  • Estilo de vida
  • Hábitos 
  • Desafios 
  • Desejos 
  • Motivações

Esses são apenas alguns dados necessários para traçar o perfil da sua persona e começar a planejar seu conteúdo. Se você precisa de uma ajudinha para criá-la, não deixe de dar uma olhada nesta ferramenta.

Importante: não confunda persona com público-alvo

Apesar de terem definições muito parecidas, essas duas palavras têm conceitos distintos. Vamos ver uma descrição de ambos para que você entenda bem a diferença: 

  • Persona: Vanda tem 45 anos, é dona de casa e tem 3 filhos. Por ter se casado muito jovem, ela não conseguiu dar continuidade aos estudos, mas está pensando em retomá-los fazendo um curso superior a distância para realizar o sonho de ter um diploma.
  • Público-alvo: Pessoas de ambos os sexos, com faixa etária de 18 a 50 anos que não tenham curso superior e queiram retomar os estudos.

Considerando o exemplo acima, o público-alvo é a parcela da população a qual o consumidor  pertence. Já a persona representa o possível cliente com suas características próprias.

2. Trace metas específicas para o marketing de conteúdo

Toda a estratégia de conteúdo deve ter uma meta específica, alinhada aos seus objetivos de negócio. 

Primeiro, defina qual é o seu maior objetivo com o marketing de conteúdo e então determine metas que ajudem a alcançá-lo.

Neste momento, você pode ter como objetivo simplesmente crescer o número de leitores e seguidores. 

Então, a dica é formular uma meta para isso, conforme o modelo abaixo: 

Alcançar a marca de 1000 seguidores em 6 meses. 

Com isso em mente, será muito mais fácil elaborar campanhas que aumentem a visibilidade da sua empresa online e tragam mais clientes.

3. Conheça os tipos conteúdo e plataformas

O formato mais utilizado ainda é o texto, porém, a internet é multimídia, ou seja, permite produzir e compartilhar diversos tipos de materiais, tais como imagens, vídeos, podcasts (áudios) e gráficos.

Logo, para que a estratégia de marketing conteúdo dê certo, é preciso considerar os outros formatos, além das características de cada plataforma onde serão compartilhados

Por que divulgar a sua marca nas redes sociais?

Segundo um levantamento publicado pelo We Are Social e Hootsuite, 40% da população mundial é usuária de redes sociais, o que dá, mais ou menos, 3 bilhões de pessoas.

O Facebook é a rede mais utilizada, com 2 bilhões de usuários por mês, seguido pelo Youtube  e o Instagram.

Considerando que os brasileiros estão em segundo lugar entre os que passam mais tempo conectados à internet no mundo —, cerca de 9h por dia — é muito fácil alcançar um grande número de pessoas interessadas nos seus serviços. 

Produzindo o conteúdo certo e com consistência, você pode se transformar numa autoridade em seu segmento de mercado.

4. Crie e alimente um blog para sua empresa!

Há quem diga que ter um blog está fora de moda, mas não para quem tem um negócio deseja atrair mais clientes.

Atualmente, o blog é o centro da estratégia de marketing de conteúdo, já que é ali que ficará boa parte do material criado para atrair a sua persona.

E também é por meio dele que os mecanismos de busca poderão encontrar o seu negócio.

Dito isso, vale a pena ressaltar que a arquitetura da informação — como estarão dispostas as informações — e a linguagem visual do seu blog devem ser tão bem pensadas quanto o conteúdo em si. 

E lembre-se: o blog é um meio de comunicação muito dinâmico, portanto deve ser sempre atualizado.

É preciso estabelecer um calendário de publicações, bem como automatizar as publicações, para não perder o foco da sua estratégia.

Outro ponto muito importante para que sua estratégia de marketing de conteúdo dê resultado é o domínio.

Adquira um endereço de web próprio (.com.br)  e tenha mais chances de ficar bem posicionado no Google, pois ele entende que esses sites possuem mais relevância.

5. Estruture seu conteúdo para gerar vendas

Realizar pesquisas para identificar os temas de maior interesse, analisar tendências e formato adequado, montar um calendário de publicações.

Todas essas atribuições fazem parte da rotina de um produtor de conteúdo. Mas se ele não souber aplicar as técnicas de copywriting, a estratégia não será eficaz.

Copywriting, que é um conjunto de técnicas utilizadas para criar conteúdo persuasivo e que ajude a vender.

Para isso, é importante falar a linguagem da persona, contando uma história e trazendo a solução para algum problema.

Além disso, o conteúdo deve conduzir a alguma ação, para que seu visitante possa tornar-se um lead.

Ao final do conteúdo, ofereça um material gratuito ao leitor, solicitando em troca algum dado para contato.

Que tipo de conteúdo posso oferecer ao meu lead?

  •  E-mail marketing (newsletter com atualizações do blog);
  • Conteúdos ricos: materiais mais extensos que visam aprofundar o conhecimento do lead sobre algum tema ou auxiliá-lo em algum processo. Pode ser um e-book, um vídeo, modelo de planilha, webinar, entre outros.
  • Demonstrações ou casos de sucesso relativos ao seu produto.

È necessário pensar em conteúdos diferentes, de acordo com o estágio em que ele encontra na jornada de compra. Entenda melhor como isso funciona:

6. Funil de vendas, jornada de compra e o marketing de conteúdo

Se você trabalha numa empresa, já deve ter ouvido falar em jornada de compra, que é o caminho que o cliente faz desde a descoberta até a aquisição de um produto.

Ela é composta por quatro fases:

  • Aprendizado e descoberta – primeiro contato do visitante com seu produto ou serviço, neste momento ele está buscando informações.
  • Reconhecimento do problema – ele já está consciente do problema e precisa da solução.
  • Consideração da solução – aquele que já conhece o seu produto, os benefícios e está estudando as alternativas.
  • Conversão – quando ele está pronto para fazer a aquisição. 

O funil de vendas tem a missão de organizar esse processo e identificar em que momento da jornada o seu lead está.

Abaixo estão as fases do funil:

  • Topo do Funil – concentra os leads que estão na fase de aprendizado e descoberta.
  • Meio do Funil – relativo àqueles que estão na etapa de reconhecimento do problema e consideração da solução.
  • Fundo do funil – corresponde às pessoas que já estão prontas para adquirir a sua solução.

Essa metodologia proporciona uma abordagem mais eficaz.

Por meio dela, é possível direcionar a comunicação adequada para cada lead e reconhecer quando ele está pronto para receber uma oferta direta. 

Cada ação do Inbound Marketing deve contribuir para que o seu lead avance dentro do funil de vendas e chegue à etapa final, que é a compra!

Assim, independente do nicho de mercado, com uma estratégia de Inbound bem elaborada, sua marca ganha autoridade e você aumenta suas vendas! 

Então, não perca mais tempo e comece já a traçar uma estratégia de marketing de conteúdo para sua empresa!

Muitas pessoas ainda não entenderam o que é SEO, porque é um tema bem complexo. Se este é o seu caso, leia este post atentamente, pois ele vai te ajudar! 

 

Explicando o que é SEO

Definitivamente, nada é mais importante para alavancar o seu negócio do que ter uma boa presença digital, o que significa ser encontrado online.

E é para isso que servem as técnicas de SEO, sigla em inglês de otimização para os mecanismos de busca.

De maneira bem simples, podemos dizer que esta é uma peça-chave da sua estratégia de marketing digital, porque permite que seu site apareça nas pesquisas e, consequentemente, possa ter mais visitas.

Mas para entender o que é SEO, você precisa saber como funcionam as ferramentas de busca, principalmente o Google.

 

Desvendando os mistérios do Google

Sem dúvida, o Google é o mecanismo de busca mais utilizado do mundo.

É ele quem “dita as regras”, determinando se um conteúdo é ou não relevante e mostrando para o usuário.

Os resultados de uma pesquisa podem ser classificados da seguinte forma:

  • Pagos: itens marcados como “anúncios”, feitos via Google Adwords, por isso, ganham destaque. 
  • Orgânicos: resultados que aparecem na sequência aos anúncios; não foram pagos e estão ali apenas porque as páginas apresentam conteúdos relevantes e são otimizadas.

E se você ainda não acredita no poder do SEO, aí vão alguns dados que comprovam o seu valor:

  • O primeiro resultado orgânico recebe a maior parte dos cliques (cerca de 33%).
  • Somente os três primeiros links após os anúncios são vistos. O restante é quase sempre ignorado.

Mas, afinal, quais os pontos mais importantes para melhorar o ranqueamento da sua página inicial ou blog? Contaremos todos os segredos!

Colocando seu site na primeira página de buscas

Talvez você não saiba, mas o Google é capaz de ler tudo o que é publicado. E, com o avanço das tecnologias, sua leitura vem se aprimorando a ponto de ele compreender o conteúdo da mesma forma que nós, humanos. Tudo graças ao famoso algoritmo.

Por isso, para que o seu material seja considerado relevante em determinada pesquisa, é preciso seguir algumas regras, que abordamos abaixo:

Palavra-chave

Quando buscamos um produto, temos que inserir palavras que tenham relação direta com ele, do contrário, a busca trará itens que não tem nada a ver com o conteúdo publicado.

Como produtor de conteúdo, seu papel é pensar como o consumidor vai procurar pelo produto ou serviço que você está promovendo, e assim, encontrar as palavras-chave mais relacionadas ao a ele.

 Há basicamente dois tipos de palavras-chave:

  1. Head-tail (cauda curta)

 Consiste em uma única palavra ou um grupo pequeno de palavras que abrange um nicho de mercado. Possuem maior número de buscas por mês, mas também concorrência alta (muitos sites falando sobre o mesmo tema). 

Exemplo: veículos

  1. Long-tail (cauda longa)

São termos ou frases que tornam uma busca mais específica, descrevendo exatamente o que se deseja:  

Exemplo: veículos automáticos em São Paulo.

Não por acaso, as palavras-chave de cauda longa são as mais utilizadas, pois costumam gerar resultados mais assertivos. 

Encontrando as suas palavras-chave

Existem diversas ferramentas que ajudam a fazer o seu planejamento de palavras-chave. Aqui, destacamos três delas:

1. Google Keyword Planner

Nada melhor do que pegar os dados direto da fonte. No Google Keyword Planner, você coloca uma palavra-chave específica e a ferramenta te dá o volume de buscas para aquela palavra, além de muitas outras opções de acordo com o que as pessoas estão buscando mais naquele período. 

Isso ajuda a descobrir outros termos relacionados e ter novas ideias de conteúdo. 

O Keyword Planner também mostra os principais dados para saber se uma palavra-chave é competitiva (concorrência alta, média ou baixa). 

Então, o ideal é escolher palavras que tenham um volume de busca alto com concorrência média para baixa. 

É bom observar, também, que esta é uma ferramenta atrelada ao Google Adwords  e que, portanto, você deve ter uma conta para ter acesso a ela. Caso não queira investir em Adwords, crie uma campanha fictícia e deixe-a pausada.

      2. SemRush 

O SemRush é uma das ferramentas mais completas para analisar os resultados do seu website, pois além de verificar palavras-chave, ela permite analisar o seu domínio e o de seus concorrentes, planejar anúncios, entre outros, tornando sua estratégia de marketing digital muito mais efetiva. 

O site oferece versão gratuita, mas para usufruir de todas as suas funcionalidades, é necessário adquirir um dos planos.

  3. Ubbersuggest

Já o Ubersuggest tem tudo o que você precisa para otimizar suas publicações sem pagar nada por isso. 

A ferramenta informa o volume de buscas mensal; se esta é uma palavra fácil ou difícil de ranquear, quais outros sites estão ranqueando com a mesma palavra, entre outros recursos. 

Se você está no início do seu projeto e ainda não possui grana para investir, o Ubersuggest é uma ótima opção para iniciar sua estratégia de SEO!

Aplicando a palavra-chave no conteúdo

Lembra que comentamos que o algoritmo do Google estava mais exigente? Pois é. Agora, ele também faz a análise semântica (sentido) das palavras. 

Então, se antes bastava escolher uma única palavra-chave para e repetí-la ao longo do texto, hoje é preciso trabalhar com todas as variações possíveis do termo, o que é bom, pois deixa o texto mais natural. 

Ainda bem que os planejadores de palavras-chave já estão fornecendo várias alternativas à palavra principal, como mencionamos há pouco.

Agora que você já sabe como usar as palavras-chave, é preciso atentar a outros fatores mais complexos, que abrangem tanto os elementos internos (on page) quanto externos (off page) do site. 

É o que veremos a seguir.

Elementos On Page

Qualidade

Conforme dissemos anteriormente, o algoritmo do Google é capaz de ler e avaliar o que você escreve. Por isso, não adianta publicar qualquer texto inserindo só as palavras-chave e achar que vai dar tudo certo. 

O Google vem evoluindo cada vez mais nos critérios de ranqueamento, exigindo, principalmente, qualidade no conteúdo publicado. 

Mas o que é um conteúdo de qualidade na visão do buscador? Ele considera três fatores, que são os chamados E-A-T:

  • Expertise (nível de conhecimento);
  • Authoritativeness (autoridade);
  • Trustworthiness (confiabilidade).

O Guia de Qualificação de resultados de busca do Google esclarece que, para que o seu conteúdo apareça entre as primeiras posições nas páginas de busca, ele deve, em primeiro lugar, ser produzido por alguém que tenha um grande conhecimento sobre o assunto abordado. Ou seja, você deve comprovar que entende do que está falando. 

Além disso, é importante que o site tenha uma boa autoridade, isto é, seja mencionado e recomendado por outras fontes em seu nicho. E, por último, que seja uma fonte confiável, apresentando dados e informações corretas ao seu leitor.

Outro ponto considerado pelo Google é a proposta de valor do seu site. O texto do guia diz o seguinte: 

“Websites ou páginas criadas sem nenhuma proposta de benefício, sem a intenção de auxiliar usuários ou que disseminam ódio, danos ou enganam ao leitor recebem o rating mais baixo”. (tradução livre). 

Isso quer dizer que, para que seu site seja bem avaliado pelo algoritmo de busca, ele deve ter uma proposta clara de benefício ao leitor, trazendo informações úteis e confiáveis, o que dará a ele a autoridade necessária para subir no ranking de pesquisa.

Tamanho  

Conteúdos mais extensos costumam ser melhor ranqueados. É o que diz um levantamento feito pela  Search IQ. De acordo com ele, o tamanho médio dos conteúdos nas primeiras posições é de aproximadamente 2.500 palavras.

Apesar disso, os especialistas em marketing digital afirmam que não existe uma regra para a extensão do texto. O importante é que ele responda todas as dúvidas do leitor. 

Título interno (Title Tag)

É o título do seu post, e a primeira coisa que o visitante verá quando acessá-lo. Note que esse título deve ser diferente do SEO Title, que é o que aparece na página de busca. 

Porém, ambos devem ser atraentes e deixar claro o que o leitor aprenderá com aquele post. Além disso, devem conter a palavra-chave principal que será trabalhada ao longo do texto.

URLs amigáveis

URL é o endereço que leva ao seu site. Ao inserir uma publicação no seu blog, geralmente a ferramenta cria um endereço aleatório, o qual deve ser personalizado com o título do seu post. 

Um detalhe importante é que ele também precisa conter a palavra-chave, pois o Google considera isso para ranquear. E quanto mais simples e direta for a sua URL, melhor.

Heading Tags

Todo post tem uma estrutura que deve ser seguida. Ela é composta pelo título, corpo de texto e intertítulos (H1, H2, H3).  

Por isso, o ideal é dividir o seu conteúdo por temas e utilizar intertítulos para separá-los, da seguinte forma:

  • Título principal – H1
  • Intertítulos – H2
  • Intertítulos – H3 (se houver subtemas que se referem ao mesmo intertítulo).

Essa padronização facilita a escaneabilidade, que é a identificação dos temas tratados no texto rapidamente, o que é importante tanto para o Google quanto para o visitante do seu site.

Responsividade

Atualmente, as pessoas acessam a internet no seu computador, celular ou tablet. Por essa razão, é fundamental ter um site responsivo, isto é, que possa ser visualizado em todos dispositivos. 

Então, se você está construindo um site, verifique se a plataforma se adapta aos dispositivos móveis. Caso ele já esteja no ar mas não seja responsivo, vale providenciar, porque esta é uma norma do Google.

 

Elementos Off Page

Linkbuilding e autoridade

Já imaginou ter o seu texto citado e linkado nas páginas concorrentes? Isso é o linkbuilding, atributo extremamente valorizado no SEO.

Uma vez que os seus links começam a aparecer com frequência em outros canais, a ferramenta entende que seu site possui autoridade sobre determinado assunto, elevando automaticamente a sua posição nas buscas.

E não custa lembrar que quanto mais bem posicionado seu site estiver, mais tráfego ele receberá. 

Menções nas redes sociais

Você já deve ter reparado que todos os blogs contém botões de compartilhamento, para incentivar o usuário a compartilhar o que leu em suas redes sociais. 

Portanto, utilize esse recurso em seu site e reforce o pedido ao final do texto, pois assim seu conteúdo ganhará visibilidade. E esse engajamento também impacta no SEO.

Localização

Com o recurso de geolocalização, fica muito mais fácil melhorar o ranking das páginas de empreendimentos locais. Quando você acessa o site para pesquisar algo, ele já detecta onde você está e te indica os serviços mais próximos.

Então, lembre-se de  configurar direitinho a localização do seu negócio e não perca nenhuma oportunidade de ser encontrado!

Agora que você chegou até aqui, não resta mais nenhuma dúvida: para o seu site ficar entre os primeiros resultados nas buscas, a solução é investir em SEO! 

Precisa de mais informações para montar a sua estratégia de marketing de conteúdo ? Baixe o Guia Definitivo do Marketing de Conteúdo e tire todas as suas dúvidas!

A internet possui um vasto universo de dados e possibilidades para a produção de conteúdo. E é por conta desse grande volume de informações que fica mais difícil  selecionar os assuntos a serem abordados. 
Essa é uma atividade que exige disciplina e, especialmente, tempo para escolher os temas, criar peças, escrever, formatar, publicar e analisar os resultados.
Mas com um pouco de organização e uma ajudinha da tecnologia, é possível identificar os temas de interesse para sua persona e elaborar o conteúdo certo para sua audiência!

Entenda como selecionar e produzir seu conteúdo 

É importante ter uma estratégia de produção de conteúdo para sua empresa e definir o principal elemento dessa estratégia: a persona. 

Com a sua persona já definida, é hora de estabelecer os assuntos que serão abordados nas mídias digitais da sua empresa.

Nesta fase, o segredo é fazer uma boa curadoria de conteúdo, isto é, pesquisar, coletar informações e saber quais os temas mais relevantes para sua audiência.

A boa notícia é que, hoje, as redes sociais facilitam muito esse trabalho. Aí vão algumas dicas para você começar a selecionar os tópicos que interessam ao seu público. 

  • Siga seus principais concorrentes nas redes sociais e observe o que eles postam e os seus comentários;
  • Descubra as hashtags (#) mais utilizadas por eles; 
  • Utilize os alertas e assine o feed dos sites mais relevantes;
  • Contextualize-o de acordo com a sua persona — por que isso é interessante para ela?;
  • Defina em quais redes sociais o conteúdo será distribuído e adapte de acordo com as características de cada uma.  

Realizar um bom trabalho de curadoria leva muito tempo, devido à quantidade de informações disponíveis, e é uma atividade que você deve executar com frequência para manter a qualidade do conteúdo e atrair mais público para suas páginas.

Mas é claro que hoje, com a ajuda da tecnologia, existem várias formas de facilitar essa tarefa. 

Conheça agora 12 ferramentas que podem auxiliar— e muito —  no seu processo de produção de conteúdo.

Para encontrar temas relevantes

A seguir, veja algumas ferramentas que trazem insights valiosos para elaborar textos e campanhas para o seu negócio.

1.Google Trends

No Google Trends, você pode pesquisar por um termo ou palavra-chave específicos e saber o volume de buscas por período e região.

Por exemplo, se você possui uma Pet Shop, pode procurar por “Comida para Cães” e a ferramenta mostrará o volume de buscas que essa palavra-chave  tem em sua localização e será possível perceber se essa é realmente uma boa palavra-chave para trabalhar em seus textos e campanhas.

2. Buzzsumo 

Faz o  monitoramento de redes sociais. Com o Buzzsumo, é possível descobrir quais os assuntos mais populares do momento e obter ideias para a produção de conteúdo.

3. Pocket

O Pocket é um jeito fácil de captar e organizar conteúdos da internet em um só lugar. Quando encontrar um artigo, vídeo ou imagem que possa gerar coisas interessantes para seu público, é só salvar no app.

Assim, quando você estiver precisando de ideias para planejar o seu conteúdo, dê uma olhadinha lá e se inspire!

Para redigir seu conteúdo

Escrever parece a parte mais fácil, mas requer organização para lidar com muitas informações ao mesmo tempo e conectá-las de forma que faça sentido.

Veja dois aplicativos super úteis para o redator.

4. Evernote

O Evernote auxilia a registrar tópicos e organizá-los antes de produzir um conteúdo.  Ele possibilita estruturar todas as informações necessárias para você se basear na hora de escrever, armazenando-as como notas, cadernos ou listas de tarefas. O aplicativo está disponível para desktop ou celular.

5. Google Docs

Você já deve conhecer o Google Docs, que é um processador de texto similar ao Microsoft Word. Ele possui todas as funcionalidades do programa da Microsoft, com o diferencial de ser totalmente gratuito, não ocupar nenhum espaço no seu computador e ser mais seguro com relação à perda de dados, salvando o arquivo automaticamente a cada alteração realizada.

Além disso, o Docs possibilita compartilhar arquivos de forma mais fácil e rápida com sua equipe. Para ter acesso a ele, basta ter uma conta do Google.

Para captar imagens e formatar conteúdo 

Seu texto pode ser muito bom e trazer informações extremamente úteis para sua persona, porém vamos ser sinceros: ninguém se sente atraído a ler um conteúdo até o final se ele for apenas um amontoado de palavras.

Posts que contém imagens são, obviamente, mais atraentes e muito mais visualizados do que os demais.

Assim, para conquistar e manter sua audiência, você precisa utilizar também uma linguagem visual adequada.

Por isso, é muito importante buscar imagens e enriquecer o seu texto com outros elementos visuais, como fotos, tabelas e gráficos. Conheça algumas ferramentas que te ajudarão a formatar melhor seus conteúdos (mesmo que você não seja um designer)!

6. Canva

O Canva é um editor de design online onde você encontra uma variedade enorme de modelos prontos para utilizar em todas as suas redes sociais ou mesmo no seu site/blog. Ele é muito fácil de usar, portanto você não precisa ser um expert em design para criar uma peça! Basta escolher  o formato e começar a criar! 

7. Pexels

O Pexels é um banco de imagens free (com licença gratuita). O site contém milhares de imagens compartilhadas por fotógrafos profissionais de todas as partes do mundo, que você pode utilizar à vontade nos seus materiais de marketing, sem nenhum custo!

8. Piktochart 

O Picktochart é um recurso focado na criação de infográficos, apresentações e flyers. Ele conta com cerca de 400 templates prontos, além de muitas variações de cores, imagens e ícones. Ou seja, é totalmente customizável de acordo com as, apresentações e suas necessidades.

E se você acha que montar um infográfico é difícil, não se preocupe, porque a ferramenta oferece um guia para que o usuário aprenda a utilizar todos os recursos disponíveis.

Para publicar seu conteúdo

Gerenciar um blog e mais diversas redes sociais, que precisam de atualização quase que diária, pode virar um verdadeiro tormento se você não adotar uma ferramenta para agendar e automatizar suas publicações.

Felizmente, já existem diversos aplicativos com esta função disponíveis no mercado. Citamos dois deles abaixo: 

9. Buffer

Facebook, Instagram, Twitter, Linkedin… com o Buffer, é possível gerenciar várias redes sociais ao mesmo tempo, garantindo a execução perfeita da sua estratégia. Além disso, ele também permite programar a frequência dos posts. 

Dessa forma, é possível agendar a publicação de um conteúdo pela manhã, outro à tarde e outro à noite, ou repetí-lo periodicamente. Essa é uma maneira muito eficaz de assegurar que a sua marca esteja sempre presente na timeline dos seus seguidores. Mas cuidado para não exagerar na quantidade de publicações.

A ferramenta é gratuita, no entanto, contém recursos pagos. Você encontra versões para Android e IOS, além de uma extensão para o Chrome.

10. Social Oomph 

Quer aumentar seus seguidores? O Social Oomph é ideal para isso! Ele possibilita a programação de publicações e monitoramento das ações dos internautas. 

Também dá para programar a atualização de grupos, compartilhamentos, entre outras atividades, aproximando a sua marca do seu público-alvo e ampliando o alcance das publicações. 

E o melhor é que o recurso é totalmente gratuito, reduzindo seus investimentos de marketing.

Para analisar resultados da produção de conteúdo

Ter objetivos claros, métricas como o alcance, o engajamento, a conversão e fazer a análise periódica desses dados é parte fundamental da sua estratégia de conteúdo. 

A maior parte das mídias digitais já disponibilizam alguns dados automaticamente. Por exemplo, quantas visualizações teve um blog post, a quantidade de seguidores das páginas da sua empresa e o número de curtidas nas redes sociais. No entanto, para confirmar se sua estratégia de conteúdo está sendo realmente efetiva, é preciso ir um pouco mais além. Saiba como:

11.Google Analytics

Não por acaso, essa é a ferramenta mais utilizada para analisar os resultados das plataformas digitais. Com ela, é possível acompanhar informações sobre sua audiência, como localização, gênero e origem dos acessos ao seu website. O acesso ao Google Analytics também é gratuito!

12. Cyfe

A função do Cyfe é medir o ROI (retorno de investimento)  nas redes sociais. Para isso, a ferramenta disponibiliza um painel de informações completo para cada rede que você cadastrar. Assim, é possível  acompanhar diferentes redes sociais ao mesmo tempo.

A ferramenta permite a análise de métricas simples, como o número de curtidas, até um acompanhamento mais criterioso, para saber o que diminuiu a visibilidade ou causou a perda de seguidores. O Cyfe ainda possui um recurso de compartilhamento dos dados em um telão, facilitando as reuniões com a sua equipe.

Possui as versões free e premium, mas dá para tirar proveito da maioria das funcionalidades sem pagar nada.

Todas os aplicativos descritos acima têm a função de automatizar e otimizar tempo na árdua tarefa de encontrar assuntos que sejam úteis à sua persona e fazer com que sua empresa ganhe visibilidade na internet por meio da produção de conteúdo. Portanto, a dica é utilizá-las sem moderação!

Para que a sua estratégia de conteúdo funcione, é necessário saber lidar com diversos recursos e plataformas que facilitem a criação e a publicação de cada material.
É neste momento que você precisa aprender a fazer a gestão de redes sociais da sua empresa.
Pois não adianta nada obter ótimas ideias para produção se você não montar um cronograma para a publicação dos conteúdos e analisar resultados.
Mas você sabe quais os principais benefícios de investir na gestão de redes sociais da sua empresa? Continue a leitura e descubra!

Economize tempo e ganhe tranquilidade

Fazer um boa gestão de conteúdo parece — e muitas vezes é, mesmo — uma tarefa árdua, mas não precisa ser tão difícil, nem levar tanto tempo. 

Basta encarar o cronograma de publicação de conteúdos como se fosse a sua própria agenda, afinal, nós também devemos programar nossas atividades para  não esquecer de nada, certo?

Com as suas ações de marketing digital, é a mesma coisa!

Assim, vale a pena separar um tempinho no final do mês para planejar suas publicações do mês seguinte com antecedência. Isso garante que você e sua equipe consigam produzir um conteúdo de qualidade e, sobretudo, executem a estratégia sem falhas.

Além disso, a elaboração de um cronograma adequado reduz o tempo gasto na produção, já que não é necessário ficar pensando no que fazer a cada dia. 

Informações para montar o seu cronograma

  • Estipule os temas ou pautas a serem trabalhados;
  • Estabeleça os prazos para produção de cada conteúdo;
  • Defina se as etapas do funil a que cada um pertence (topo, meio ou fundo de funil). Inclua conteúdos para as três etapas;
  • Saiba quais são as palavras-chave mais utilizadas;
  • Datas de lançamento e divulgação de cada item;
  • Determine o que será promovido em e-mail marketing;

Quer saber como montar um calendário de publicações e conquistar mais clientes e seguidores? Então, confira nossas dicas!

Aplique a sua estratégia de marketing de conteúdo

Durante a criação da estratégia de conteúdo, você deve traçar algumas metas, que serão aplicadas agora, na gestão de redes sociais.

Cabe ressaltar que a decisão do que publicar e quando deve ser baseada na sua meta do período. Assim, se você deseja crescer o seu perfil, pode incluir no calendário uma campanha de Ads (Facebook, Instagram, Google), para levar mais visitantes às suas páginas. 

Defina a frequência das publicações

A atualização frequente é um item de extrema importância para fomentar sua presença digital.

Ao detectar que uma página ou perfil está sendo constantemente atualizado, os mecanismos de busca aumentam a relevância dele e mostram mais o seu conteúdo.

Por isso, ao elaborar o seu cronograma, considere publicações diárias ou semanais, de acordo com as características de cada canal. Caso contrário, você pode perder todos os seguidores ou leads conquistados durante semanas, em poucos dias.

Conte com a tecnologia para fazer a gestão de redes sociais

Há uma série de aplicativos criados exclusivamente para auxiliar na gestão de projetos e que podem ser usados para criar o seu cronograma.

Eles possibilitam montar uma programação de conteúdo adequada às suas necessidades e, ainda, delegar as atividades pertinentes a cada membro da equipe, obtendo uma visão completa da sua estratégia. 

Outra super vantagem que esses apps apresentam é disparar e-mails automáticos aos envolvidos, para avisá-los quando o prazo para completar uma tarefa está próximo do fim ou já passou da data. 

Selecionamos três aplicativos com essas funções, que possuem versões gratuitas. Experimente!

  1. Pipefy 
  2. Trello
  3. Teamwork

Fique de olho nas datas comemorativas

Você sabe quais são as datas comemorativas que possuem mais apelo para o seu negócio? Então, é bom descobrir, pois elas costumam gerar grande engajamento da sua audiência, o que significa uma maior interação com seus textos, imagens e outros. 

Esse é um fator que impulsiona o alcance dos seus posts nas redes sociais e também pode  aumentar a autoridade do seu site, colocando-o entre as primeiras posições nas buscas. E como consequência, pode haver um aumento nas conversões. 

Como associar as datas comemorativas à imagem da sua empresa?

É simples. Um e-commerce de produtos femininos terá um engajamento fantástico com publicações relacionadas ao dia da mulher. 

Já uma loja de brinquedos pode conseguir bons resultados elaborando um post especial para o dia das crianças. 

Contudo, a relação não precisa ser tão direta. É possível que uma loja de roupas masculinas produza um post em comemoração ao dia das mães, por exemplo. Apesar de ser uma ação que não atinge diretamente à persona, ela demonstra empatia, aumentando o “carisma” da sua marca.

Além disso, é sempre bom trabalhar com datas que promovem comoção da população, como festas de fim de ano, aniversário da cidade (para comércios locais), entre outras.

Esteja por dentro do que é noticiado na mídia

O bom produtor de conteúdo é um profissional antenado e deve se informar sobre tudo o que está acontecendo na sua região e no mundo. Pois uma notícia pode, sim, se transformar numa oportunidade para a criação de um post ou campanha de impacto nas redes sociais. 

Quando existe uma relação com a realidade da sua persona, a chance de o conteúdo ter alto engajamento e até viralizar é muito maior, portanto, vale a pena adaptar o seu cronograma de publicações para incluir uma demanda de última hora e aproveitar o momento.

Mas fique atento, porque o contrário também pode ocorrer. Você pode ter que cancelar um conteúdo já produzido e programado em virtude de um fato noticiado recentemente. 

Portanto, acostume-se desde já com o fato de que o seu calendário de conteúdo será flexível, ou seja, ele poderá ser alterado pelas circunstâncias do mercado ou mesmo por um fator externo, que não tenha a ver diretamente com o seu negócio. 

Nessa hora, o bom senso também deve fazer parte da sua estratégia.

Comunique-se com a sua área de vendas

A área de vendas possui um papel muito importante, que é trazer dados e ideias que ajudem na produção de conteúdos mais focados nas necessidades da persona. 

No marketing digital, sua participação é ainda mais importante, pois uma vez que o lead entra no funil de vendas elaborado pelo marketing, na fase final, que é a mais importante, são os vendedores que entram em ação.

Eles são, portanto, a fonte mais próxima do cliente, e podem trazer insights valiosos para compor o seu planejamento de conteúdo.

Diversifique o calendário editorial

Atualmente, a variedade de formatos permite criar conteúdos cada vez mais elaborados e esses recursos devem ser explorados sempre que possível. A ordem é surpreender (positivamente) a sua audiência. 

Portanto, não deixe de incluir no seu calendário editorial memes e Gif’s bem humorados.

Também, invista na produção de vídeos — uma boa edição e vinheta faz toda a diferença — e abuse do stories do Instagram, que é uma das plataformas que gera maior engajamento.

Aposte nos materiais ricos, como e-books, webinars, casos de sucesso e infográficos.

 Certamente, isso vai ajudar a impulsionar os seus perfis em mídias sociais e cativar mais seguidores!

Atente-se aos horários de publicação

Pode parecer irrelevante, mas a verdade é que os horários de publicação importam, sim!

Cada rede social tem seus “horários de pico”, que devem ser respeitados para que suas publicações tenham o alcance desejado.

O melhor horário para postar também depende muito do perfil do seu público. Há pessoas que acessam as redes mais no período da manhã, outras à noite ou durante o dia, no trabalho. 

Considere os hábitos da sua persona.

O tema do seu post é outro fator que deve ser levado em conta para determinar os horários de publicação. Um post sobre trabalho tende a ser mais acessado no início do dia, já um conteúdo que remeta ao descanso deverá ter mais interações à noite.

De qualquer forma,  o que deve ficar claro é que nada disso é uma ciência exata. Por isso é necessário postar o mesmo conteúdo em vários horários diferentes para ver em quais deles o seu público responde melhor. 

Uma pesquisa feita pela agência de marketing digital Sprout Social apontou os melhores horários para aparecer em cada rede social. Para ver os dados, clique aqui.

Programe repetições do seu conteúdo

Você não leu errado! Promover o mesmo conteúdo é permitido, e, mais do que isso, é recomendado! 

Pense na sua audiência como algo que está em constante movimento. As pessoas entram e saem do seu blog, seguem e deixam de seguir a todo instante.

Isso significa que, todos os dias, o seu blog ou perfil será acessado por novas pessoas!

Então, abra espaço no seu calendário editorial para uma “reprise” dos conteúdos que você considerar mais importantes; assim você otimiza o tempo de sua equipe e diminui os custos de produção. Basta definir um prazo adequado para as repetições.

Garanta uma boa gestão de redes sociais revisando seu cronograma

Como todo bom planejamento de marketing, o cronograma de conteúdo para web e redes sociais deve ser revisado periodicamente.

Revisão mensal ou semanal? Depende do tamanho da sua empresa, das suas metas, da sua equipe etc. 

O importante é checar se tudo o que foi programado está sendo cumprido e como estão os resultados da estratégia.

Essa avaliação deve reunir todo o time envolvido, para avaliar as dificuldades e o que poderia ser melhorado.

Se for preciso, não hesite em reformular o plano.

Viu como criar um cronograma de publicação de conteúdos é essencial para colocar sua estratégia de conteúdo em prática?

Uma gestão de redes sociais bem feita garante a frequência adequada, a visibilidade da sua marca e, principalmente, novos clientes para o seu negócio!